Saia da Escuridão Para a Luz, Presidente James E. Faust


01. Meus queridos jovens, aonde vocês estiverem, é um prazer para mim estar com vocês. Eu oro para que seja do seu interesse o que eu tenho para dizer.




02. Muitos de vocês estão lutando a respeito de sua identidade. Alguns estão preocupados sobre o que o futuro tem para vocês. Isto me lembra uma história que ouvi uma vez sobre um rapaz no Calgary Stampede. Quando ele estava selando o seu cavalo, um Cowboy vendo ele disse:, “Senhor, você está colocando a sela no lado errado.” “Ha, ha,” disse o rapaz, “Por que? Você nem sabe para qual caminho eu estou indo.”



03. O mundo mostra coisas atraentes. O mundo está confuso. Não são alguns de vocês que não tem certeza para onde irão, vocês também são questionados sobre o que realmente vale a pena. Deixe-me assegurar a vocês de que, eu acredito com todo o meu coração que vocês são uma geração escolhida.



04. Eu falo esta tarde sobre sair da escuridão para a luz. O Profeta Miquéias disse: “Se morar nas trevas, o Senhor será a minha luz”. ( Miquéias 7:8)











Como Nós Recebemos Luz





05. Nós recebemos luz do Senhor. Isto acontece quando estudamos as escrituras e “abriram-se nossos olhos e iluminou-se nosso entendimento de modo a vermos e compreendermos” ( D&C 76:12)



06. O estudo das escrituras diariamente acende a luz da nossa percepção espiritual e abre nosso entendimento para conhecimento futuro. Eu busco ler as escrituras ao final do dia. Isto me traz uma paz incrível. Eu durmo melhor fazendo isso.



07. Nós recebemos luz espiritual quando assistimos a reunião sacramental. Participar do sacramento e a inspiração que recebemos nos serviços semanais, recarrega nossas baterias espirituais.



08. Nós recebemos luz espiritual quando aceitamos um chamado. Servir em um chamado da igreja, nos abençoa mais do que abençoamos o próximo.



09. Nós recebemos luz espiritual quando pagamos o nosso dizimo, e as janelas do céu podem se abrir. ( Malaquias 3:10)



10. Nós recebemos luz espiritual quando cantamos os hinos. Cantar os hinos nos fortalece e nos une espiritualmente.



11. Nós recebemos luz espiritual quando oramos. Como um jovem adolescente, o Profeta Joseph Smith leu, “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente...” ( Tiago 1:5)



12. Eu comento para vocês o que aconteceu na primeira visão quando ele decidiu que ele perguntaria a Deus. Ele escreveu: “Quando a luz pousou sobre mim, vi...” O que ele viu? Ele viu o Pai e o Filho. Quando a visão terminou ele disse: “ Quando a luz se retirou, eu estava sem forças”

( História de Joseph Smith, 1:20)



13. Obviamente, nós não esperamos uma visitação celestial, mas definitivamente podemos crescer espiritual e intelectualmente se primeiro, “procurarmos o reino de Deus e sua justiça” ( Mateus 6:33)





Qual é o enfoque de nossa fé?



14. Parte de nossa saída da luz, depende sobre como enfocamos a nossa fé. Ela é uma repressão? Ou uma liberação? Como jovens maduros eles sentem um novo poder, novas paixões, novas ambições. Mas digo a eles que alguns desses poderes devem ser restringidos. Às vezes, até os missionários retornados se cansam de obstáculos, e tentam encontrar liberdade na indulgência. Fazendo isso, eles descobrem que a indulgência não é o caminho para a liberdade.



15. Mas controlar nossas paixões, superar os obstáculos, é necessário para o crescimento pessoal e nosso progresso. Como disse Alma “Faz também com que todas as tuas paixões sejam dominadas para que te enchas de amor” ( Alma 38:12)



16. Faz alguns anos que um programa transmitido nacionalmente falou sobre nossos prisioneiros que estavam amansando cavalos selvagens. Durante o tempo que eles estavam amansando os cavalos, eles criaram uma relação de amizade com os seus cavalos, eles aprenderam paciência, como controlar seus temperamentos, respeitar os outros e o valor de trabalhar em grupo.



17. Quando eles viam os seus cavalos obedecerem seus comandos, eles reconheciam que eles poderiam ter evitado os erros terríveis que os haviam postos na prisão. Igual aos cavalos, eles ainda podiam aprender, progredir e alcançar.



18. Em nossa sociedade moderna existem muitas expressões em livros, revistas, televisão e filmes que mostram a intimidade sexual fora do casamento como se fosse socialmente aceitável, até desejável.



19. Alguns dos jovens, são desviados por essa filosofia, alguns perguntam a si mesmo: “O que tem de mal nisso, nós só estamos namorando!” O Elder Jefrey R. Holland, respondeu esta pergunta:



20. “A respeito da intimidade humana, você deve esperar! Você deve esperar até que possa dar tudo, e você não pode se entregar até que estejam legalmente casados. Para dar ilicitamente aquilo que não é seu, (Lembrem-se! Você não é dono de si) e entregar só parte daquilo que não pode ser dado, sem dar tudo de você, é jogar roleta russa. Se persistimos em busca da nossa própria satisfação física, sem observarmos as leis do céu, corremos um terrível risco de nos danificarmos espiritualmente e você pode destruir um desejo físico e sua habilidade de se entregar completamente a um amor mais adiante e mais verídico. Você pode chegar naquele momento que você percebera que gastou o que deveria ter guardado, e que somente a graça de Deus pode recuperar aquela virtude que você tão liberalmente gastou. No dia de seu casamento o melhor presente que você pode entregar para a sua companheira eterna é o melhor de você – limpo e puro e digno dessa pureza”.



A Fé Nos Carrega para Fora da Escuridão



21. Nós devemos esperar para a época certa de nossa vida para usarmos os dons sagrados; devemos nos preparar para essa época. Eu não beijei minha esposa, até que éramos noivos para casar. Desde então procuro recuperar a falta!



22. A bondade restringe seus desejos carnais, mas também ajuda você a encontrar seu ser verdadeiro e liberdade. A procura das coisas positivas, é o que faz nossa vida valer a pena. E sair da escuridão para a luz, é discernir entre o bem e o mau, pela luz de Cristo ( Moroni 7:16-17). É a expressão de nossos dons e talentos. É apegar-se a tudo que é bom. (Ver Moroni 7:20-21)





23. Nossa fé não é um pacote de crenças e práticas que são difíceis de suportar. Aqueles que conseguiram sair da escuridão para a luz, encontram suporte na fé. A fé não é pesada; a fé nos levanta e nos dá asas para passarmos por lugares difíceis. Como Isaias prometeu, “Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão e não se cansarão, caminharão, e não se fatigarão”. ( Isaias 40:31)



24. O sair da escuridão para a luz, nos libera da escuridão de nossas almas, que vem do medo, desânimo e nossos pecados. Você pode notar aquele que entrou para a luz, pela sua expressão e atitude. O Salvador disse: “Eu Vim para que tenha vida e a tenham com abundancia.” (João 10:10)



25. Desde setembro de 2001, nós estamos preocupados com outra forma de escuridão – a influência dos terroristas. Vocês estão crescendo num mundo diferente do que eu cresci. Por anos nós viajamos em aviões sem ter nossa bagagem inspecionada nem passando pelo detector de metal. Meus queridos jovens seus inimigos não são todos terroristas e seqüestradores. Alguns estão dentro do seu grupo de amigos – até pode ser alguns que vocês vêem como amigos – aqueles que os incentivam a serem livres das abas e experimentar drogas, álcool ou intimidade com alguém do sexo oposto – até com alguém do mesmo sexo.



26. Eles são críticos, buscam a discórdia, e são céticos – aquele que nos mantêm em escuridão e intentam afastar-nos da luz em nossa jornada eterna. Outros terroristas espirituais, incluem pedófilos, aqueles que não tem valores. Eles estão na escuridão, não tem fé e estão indispostos a procurar alguém maior que eles para soluções à perguntas e problemas. Alguns deles tem egoísmo, falta de alto estima e uma fé fraca. Eles não podem obter a luz e conhecimento por outros meios.





Se tornarem defensores da fé



27. Um dos títulos da rainha da Inglaterra é “defensora da fé” todos nós deveríamos ser defensores da fé, quando nós defendemos nossa fé, nós saímos da escuridão para a luz, podemos facilmente imaginar que se nossas casas fossem ameaçadas pelo exército de Johnston, nós nos uniríamos ao grupo de Lot Smith, pra defender a nós mesmos, e manter o exercito do inimigo que nos ameaça fora das nossas vidas e nossos lares. Mas o exército que destrói nem sempre ataca com grandes números. Satanás pode atacar-nos individualmente. Quando saímos da escuridão, a luz brilhante do Salvador chega quebrando.



28. Jovens, vocês tem a responsabilidade de proclamar a verdade do Evangelho restaurado, vocês serão eficazes fazendo isso, somente se vocês intentam fazer o certo na sua vida individual. Para fazer isso precisarão entender e obter um testemunho das doutrinas básicas da igreja. Estas verdades fundamentais são: primeiro que Jesus é o Cristo o Filho de Deus, e o Redentor do mundo; Segundo que Deus, o Pai, e Seu Filho Jesus Cristo em verdade apareceram ao profeta Joseph Smith, restaurando a plenitude do Evangelho e a Igreja verdadeira.



29. Daí segue o propósito da igreja: Primeiro, preparar seus membros para uma vida perfeita. “Sede vós pois perfeitos, como é perfeito vosso Pai que está nos céus. ( Mateus 5:48) Segundo, encorajar os membros a se tornarem um corpo de santos, unidos na fé e nas obras. Terceiro: Proclamar a mensagem da verdade restaurada ao mundo. Quarta, salvar nossos mortos.



30. Alguns de vocês rapazes e moças, podem estar se preparando para servir uma missão de templo integral, para ser chamado a servir como missionário dessa igreja, não é um direito mas um privilegio, o serviço missionário é agradável mas não é uma brincadeira, é trabalho duro. O mandamento do Senhor aos missionários está na sessão 4 de Doutrina e Convênios: “Portanto, ó vós que embarcais no serviço de Deus, vede que o sirvais de todo o coração, poder, mente e força, para que vos apresenteis sem culpa perante Deus no último dia (D&C 4:2).



31. Todo serviço missionário é presumido na dignidade pessoal. O Senhor diz: “Sede limpos, vós que portais os vasos do Senhor” (D&C 38:42). Alguns de vocês são dignos, mas por causa de problemas de saúde não suportarão o rigor do proselitismo no campo missionário. Você pode encontrar oportunidades de serviços alternativos, que serão uma grande benção para vocês.





O Espírito Iluminara seu Caminho





32. Faz alguns anos, quando o Presidente Merrill J. Bateman estava no Japão, os missionários apresentaram para ele um rapaz que recentemente tinha se tornado um membro da igreja. Ele vinha de antecedentes não-cristãos. Quando ele conheceu os missionários, interessou-se na mensagem, mas ele não conseguia entender ou sentir a necessidade de um Salvador, e ele não tinha recebido um testemunho com relação ao evangelho.



33. Um dia, os missionários resolveram mostrar para ele um filme sobre a expiação chamado A Ponte. O rapaz assistiu o filme, ficou perturbado, e não conseguia dormir a noite inteira, mas ainda não tinha um testemunho.



34. Na Manhã Seguinte, ele saiu para trabalhar. Ele trabalhava numa ótica fazendo óculos ... Uma senhora idosa entrou. Ele lembrou que ela havia estado na loja algumas semanas atrás. Ela tinha quebrado seus óculos. Precisava de óculos novos. Quando ela entrou, não tinha o dinheiro suficiente, e teve que voltar para conseguir mais dinheiro para comprar os óculos novos. Quando ela entrou nesse dia, mostrou para o rapaz os óculos quebrados e o dinheiro que ela tinha guardado. Ele viu que ela ainda não tinha o dinheiro que precisava. Depois, ele pensou, Eu tenho algum dinheiro. Eu não preciso dizer para ela. Eu posso pagar a diferença. Então ele falou para ela que ela tinha guardado o suficiente, tomou seus óculos, e marcou um horário para ela retornar quando ele terminasse o reparo...

35. Ela voltou mais tarde. Os óculos estavam prontos. Ele entregou para ela, e ela colocou, e gritou... Eu vejo, eu vejo. Depois ela começou a chorar. Nesse instante, ele sentiu uma sensação de calor no seu peito que crescia dentro dele. Ele falou, ... Eu entendo, eu entendo. Ele começou a chorar. Saiu correndo da loja a procura dos missionários. Quando os encontrou, ele disse, Eu vejo! Meus olhos se abriram! Eu sei que Jesus é o Filho de Deus. Eu sei que a pedra foi rolada da tumba e na manhã de páscoa gloriosa Ele saiu dentre os mortos. Ele pode pagar a diferença na minha vida quando eu não pude.”



36. Todos nós podemos ver pela vela de inspiração, que é o Espírito Santo. Ele iluminará o nosso caminho ao sair da escuridão e dificuldade. O caminho mais certo de sair da escuridão para entrar na luz, é por meio da comunicação com nosso Pai Celestial pelo processo de revelação divina. Presidente Wilford Woodruff declarou, “Quando o Senhor tinha pessoas na terra que ele conhecia, guiava-os por revelação” A inspiração de Deus está disponível a todos que com sinceridade procuram o guia do Espírito Santo. Isto é particularmente verdadeiro para aqueles que já receberam o dom do Espírito Santo. Membros individuais, pais, e líderes têm o direito de receber revelação por aqueles que estão em sua responsabilidade.



A Revelação Continua



37. Aqueles que desejam sair da escuridão e entrar na luz deveriam concordar com a inspiração e revelação que vem por meio dos profetas, videntes, e reveladores. Amós nos diz, “Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos os profetas” (Amós 3:7). Estes são os homens proféticos que, através dos séculos, receberam revelações celestes com a responsabilidade de passar as palavras do Senhor aos outros.



38. A melhor maneira de vocês jovens, sentirem-se em harmonia com o Salvador é de apoiar seu profeta vidente na terra, o Presidente da Igreja, em nosso dia e época, Presidente Gordon B Hinkley. Se nós não seguirmos o profeta, quem quer que ele seja, estaremos a perigo de morrer espiritualmente. Algumas pessoas se equivocam em seu apoio ao profeta vidente, tentando elevar a si mesmos, e colocando o profeta abaixo deles – de qualquer maneira, sutilmente.



39. Eu posso testificar que o processo de revelação chega a Igreja com muita freqüência. Chega diariamente. Elder Wilford Woodruff, então membro do Quorum dos Doze Apóstolos, falou, “Este poder está no seio do Deus Todo-poderoso, e Ele dá esse poder a seus servos os profetas quando precisam dele no dia a dia para construir Sião” Isto é necessário para a igreja cumprir sua missão. Sem isto nós iríamos fracassar. A Igreja constantemente precisa de um guia principal, o Senhor e Salvador Jesus Cristo.



40. Isto também foi enviado pelo Presidente George Q. Cannon, que disse:

“Nos temos a Bíblia, O Livro de Mórmon, e O Livro de Doutrinas e Convênios; mas todos estes livros sem os profetas videntes e a revelação constante do Senhor, não encaminharia ninguém ao Reino Celestial de Deus. Pode parecer uma declaração estranha de fazer, mas estranho assim, é verdade.

41. “É claro, estas escrituras são de valor infinito. Não pode dar um preço muito alto para elas, nem podem ser estudadas demais, mais elas em si, com toda a luz que dão, são insuficientes para guiar os filhos dos homens e

levá-los à presença de Deus. Para serem guiados por Deus, é requerido o Sacerdócio vidente e revelação constante de Deus para o povo de acordo com as circunstancias em que eles estão.”



42. Quando virá esta revelação prometida? Só Deus sabe quando. Virá a pessoa certa no momento certo. Para obter a resposta a isto devemos voltar às palavras de Amós, “Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos os profetas” (Amós 3:7).



43. Revelação continua não irá e não poderá ser forçada por pressão externa de pessoas ou eventos. Não é aquele chamado de “revelação de progresso social” Não tem origem com os profetas; vem de Deus. A Igreja é governada pelo profeta sob inspiração, guia, e direção do Senhor.



44. Minha crença e convicção da verdade divina da Igreja agora é de muito tempo – até onde consigo lembrar. O meu testemunho tem crescido fortemente através dos anos. Sou Autoridade Geral há 30 anos e Apóstolo por 24 anos nesta conferência em outubro. O conhecimento da veracidade deste evangelho veio antes que eu fosse chamado ao santo apostolado e foi reconfirmada muitas vezes desde então. Eu testifico a vocês jovens que o evangelho contém as respostas à problemas e desafios da vida. E o caminho verdadeiro para a felicidade e o cumprimento das promessas do Senhor, que é “Paz neste mundo e vida eterna no mundo vindouro”

(D&C 59:23). Disso eu testifico no nome de Jesus Cristo , Amem.


Share/Bookmark ~ domingo, 30 de maio de 2010 0 Comentários

O Significado de Uma Bênção Patriarcal, Jonh A. Widtsoe


Estas bênçãos constituem possibilidades baseadas na dedicação fiel à causa da verdade. Devem ser merecidas, do contrário não passarão de vãs palavras. Certamente. alcançam seu principal valor quando se empregam como ideais, como possibilidades particulares que procuramos realizar durante nossa vida. O Sacerdócio é ofendido quando se considera o patriarca um adivinho; ele somente indica os dons que o Senhor quer nos dar, se trabalhamos por eles. Ajuda-nos, indicando a meta divina que podemos alcançar, se pagarmos o preço.


Esta bênção, dada com o espírito de amor paternal e selada sobre nós com a autoridade do Sacerdócio, chega a ser uma força em nossa vida e um consolo em nossos dias. É uma mensagem que, se lida e honrada devidamente, chegará a ser uma âncora nos dias tempestuosos, nosso ânimo em dias nublados. Expressa nosso destino exato aqui e na outra vida se vivermos de acordo com a lei; e durante o curso de nossa vida fortalece nossa fé e nos conduz à verdade.

Aqueles que buscam a bênção patriarcal devem solicitá-la com fé na realidade do poder do Sacerdócio. Devem buscá-la com o desejo sincero de chegar a ser, por meio das bênçãos, mais completamente felizes em suas vidas e mais perfeitamente úteis no obra do Senhor. E presume-se que devem qualificar-se para receber suas bênçãos confirmando em suas vidas a realidade do Evangelho. A pessoa impura ou desobediente deve purificar-se e aprender a ser obediente antes de se dirigir ao patriarca. Somente nestas condições a pessoa pode esperar conhecer a vontade do Senhor.

A bênção patriarcal deve ser lida e relida. Deve dar-se-lhe utilidade na vida e deve ser feita com fé nas bênçãos espirituais.

A bênção patriarcal é um dom do Senhor. Deve-se ter presente o propósito com o qual foi solicitada. Deve-se ler com consideração inteligente, levando-se em conta o seu significado. Deve-se fixar a atenção no significado primordial da bênção, de maneira mais exata em determinadas sentenças. Não deve haver dúvida alguma a respeito do tempo ou lugar em que há de se cumprir a promessa, nem acerca do homem que a expressou. Assim como se deu a bênção por intermédio da inspiração do Senhor, de igual maneira, o mesmo poder revelará o seu significado; o seu cumprimento se verificará de acordo com a vontade do Senhor. Sobretudo sempre se deve recordar que toda bênção depende de nossa fidelidade. Examinemos nossas vidas de vez em quando para nos inteirarmos se estamos vivendo de tal maneira que mereçamos as bênçãos prometidas. Não há dúvida, de que nossas bênçãos patriarcais, se lhes dermos o devido respeito, poderão ser uma fonte de ajuda divina na viagem da vida.

Diremos ainda que as sagradas bênçãos patriarcais são de natureza pessoal. Não se deve comentá-la ou mostrá-la indiscretamente; deve ser lida freqüentemente e devemos meditar a seu respeito para o nosso próprio benefício. É por esta razão que cada pessoa recebe uma cópia de sua bênção.

Visto que os patriarcas são apenas homens, estão sujeitos às debilidades humanas. Sua maneira de falar e pensar refletem na bênção que pronunciam. Dois homens diferentes expressam a mesma idéia com palavras diferentes. O Senhor não Ihes dita estas bênçãos, palavra por palavra. De igual maneira, o patriarca poderá ressaltar partes das bênção de acordo com a sua natureza ou desejo. No entanto, se o patriarca vive dignamente, terá o sustentáculo de seu poder e a autoridade de seu cargo e pronunciará as bênçãos designadas para nós. E se vivermos dignamente, compreendermos nossa bênção e descobriremos nala um significado profundo.


Share/Bookmark ~ sábado, 29 de maio de 2010 1 Comentários

Os Tempos Em Que Vivemos, Presidente Gordon B. Hinckley


Meus amados irmãos e irmãs, eu aceito humildemente esta oportunidade. Oro para que eu possa ser guiado pelo Espírito do Senhor naquilo que eu disser.


Acabo de receber uma nota dizendo que está ocorrendo um ataque de mísseis dos EUA.

Não necessito lembrar-lhes de que vivemos em tempos perigosos. Quero falar a respeito destes tempos e de nossas circunstâncias como membros da Igreja.

Vocês estão perfeitamente informados dos eventos de 11 de setembro, há menos de um mês atrás. A partir daquele infame e sórdido ataque fomos arremessados a um estado de guerra. É a primeira guerra do século 21. O século passado foi descrito como o mais devastado por guerras na história da humanidade. Agora estamos envolvidos em outro perigoso acontecimento, cujo desenrolar e final não conhecemos. Pela primeira vez, desde que nos tornamos uma nação, os Estados Unidos foram seriamente atacados em seu próprio território. Mas este não foi um ataque apenas contra os Estados Unidos. Foi um ataque contra os homens e as nações de boa vontade em todos os lugares. Foi bem planejado, executado com audácia e os resultados foram desastrosos. Estima-se que mais de 5.000 pessoas inocentes tenham morrido. Entre estes havia muitos de outras nações. Foi cruel e ardiloso, um ato de extrema maldade.

Recentemente, juntamente com alguns líderes religiosos da nação, fui convidado à uma reunião na Casa Branca com o Presidente. Ao falar-nos, ele foi franco e direto.

Naquela mesma noite, ele falou ao Congresso e à nação de forma inequívoca a respeito da determinação da América e de seus amigos de irem à caça dos terroristas que foram responsáveis pelo planejamento desta coisa terrível, bem como dos que os abrigam.

Agora estamos em guerra. Forças enormes estão sendo mobilizadas e continuarão a sê-lo. Alianças políticas estão sendo forjadas. Não sabemos quanto tempo durará este conflito. Não sabemos o que ele irá custar em termos de vidas e recursos. Não conhecemos a maneira pela qual ele será levado a cabo. Isto poderá causar impacto no trabalho da Igreja de várias maneiras.

Nossa economia nacional está sofrendo. Ela já estava em dificuldades e isto só fez com que o problema aumentasse. Muitos estão perdendo seus empregos. Entre nosso próprio povo, isto poderá afetar as necessidades de Bem-Estar e também os dízimos da Igreja. Poderá afetar nosso programa missionário.

Somos uma organização global. Temos membros em mais de 150 nações. A administração deste vasto programa mundial tornar-se-á possivelmente mais difícil.

Nós que somos cidadãos Americanos apoiamos firmemente ao Presidente de nossa nação. As terríveis forças do mal devem ser confrontadas e responsabilizadas por suas ações. Esta não é uma questão de Cristão contra Muçulmano. Estou contente ao ver que alimentos estão sendo jogados ao povo faminto de uma nação-alvo. Nós valorizamos nossos vizinhos Muçulmanos em todo o mundo e esperamos que aqueles que vivem de acordo com os princípios de sua fé não venham a sofrer. Eu particularmente peço que nosso próprio povo não tome parte em qualquer tipo de perseguição aos inocentes. Em lugar disso, sejamos amistosos e úteis, dispostos a proteger e apoiar. São as organizações terroristas que devem ser localizadas e abatidas.

Nós desta Igreja sabemos algo a respeito de tais grupos. O Livro de Mórmon fala dos ladrões de Gadianton, uma organização secreta e maligna, unida por meio de pactos, inclinada à maldade e destruição. Em seus dias, eles fizeram tudo o que puderam, usando quaisquer meios disponíveis para derrubar a Igreja, para atrair ao povo com sofismas e para assumir o controle da sociedade. Vemos a mesma coisa na presente situação.

Somos pessoas pacíficas. Somos seguidores de Cristo, que foi e é o Príncipe da Paz. Mas há momentos quando temos que defender os direitos e a decência, a liberdade e a civilização, da mesma forma como Moroni mobilizou o seu povo, em seus dias, em defesa de suas esposas, seus filhos e da causa da liberdade.

No programa de televisão de Larry King, alguns dias atrás, foi-me perguntado o que eu pensava daqueles que, em nome de sua religião, levam a cabo ações tão infames. Eu respondi, “A religião não oferece escudo para a iniqüidade, para a maldade, para estes tipos de coisas. O Deus no qual acredito não patrocina este tipo de ação. Ele é um Deus de misericórdia. Ele é um Deus de amor. Ele é um Deus de paz e confiança e eu procuro a Ele em momentos assim, como um conforto e uma fonte de força.”

Os membros da Igreja nesta e em outras nações estão agora envolvidos em um grande empreendimento internacional. Na televisão vemos aqueles que estão nas forças armadas deixando aos seus entes queridos, não sabendo se irão retornar. Isto está afetando os lares de nosso povo. De maneira unificada, como Igreja, devemos colocar-nos de joelhos e invocar os poderes do Todo-poderoso em favor daqueles que irão carregar os fardos desta campanha.

Ninguém sabe quanto tempo durará. Ninguém sabe precisamente onde ela será deflagrada.

Ninguém sabe tudo o que ela irá acarretar antes que esteja terminada. Desencadeamos uma iniciativa cujo tamanho e natureza não podemos visualizar neste momento.

Ocasiões deste tipo alertam-nos de forma contundente sobre o fato de que a vida é frágil, a paz é frágil, a própria civilização é frágil. A economia é particularmente vulnerável. Temos sido aconselhados, vez após vez, a respeito de auto-suficiência, a respeito de dívidas, a respeito de frugalidade.

Há tantos entre nosso povo que estão altamente endividados com coisas não inteiramente necessárias. Quando eu era rapaz, meu pai aconselhou-me a construir uma casa modesta, suficiente para as necessidades de minha família, e a torná-la bela, atraente, agradável e segura. Ele aconselhou-me a pagar a hipoteca tão rápido quanto pudesse, a fim de que, não importa o que acontecesse, houvesse um teto sobre as cabeças de minha esposa e de meus filhos. Fui criado com este tipo de doutrina. Eu os exorto, como membros desta Igreja, a que se libertem das dívidas, onde for possível, e a terem um pouco em reserva para os dias chuvosos.

Não podemos estar prevenidos para todas as emergências. Mas podemos estar prevenidos para muitas emergências. Que a presente situação possa lembrar-nos de que devemos fazer isso.

Como temos sido continuamente aconselhados, por mais de 60 anos, tenhamos algum alimento reservado que possa suster-nos por algum tempo em caso de necessidade. Mas não entremos em pânico e nem cheguemos a extremos. Sejamos prudentes em todos os aspectos. E, acima de tudo, irmãos e irmãs, vamos avante com fé no Deus Vivente e em Seu Amado Filho.

Grandes são as promessas concernentes à esta terra da América. Somos ensinados de maneira inconfundível de que ela é uma “terra escolhida; e que qualquer nação que a habitar se verá livre da servidão e do cativeiro e de todas as outras nações debaixo do céu, se apenas servir ao Deus da terra, que é Jesus Cristo” (Éter 2:12). Este é o ponto crucial de toda a questão – obediência aos mandamentos de Deus.

A Constituição sob a qual vivemos e que tem não apenas nos abençoado, mas tem-se tornado um modelo para outras constituições, é a nossa salvaguarda nacional inspirada por Deus, assegurando liberdade, justiça e igualdade perante a lei.

Eu não sei o que o futuro reserva. Não quero parecer negativo, mas quero lembrá-los das advertências das escrituras e dos ensinamentos dos profetas, os quais temos tido constantemente diante de nós.

Não consigo esquecer a grande lição do sonho do Faraó a respeito das vacas gordas e magras e das espigas cheias e secas.

Não consigo retirar de minha mente as severas advertências do Senhor, conforme encontradas no capítulo 24 de Mateus.

Estou informado, como vocês também estão, das declarações das revelações modernas dizendo que chegará o tempo em que a terra será purificada e no qual haverá indescritível sofrimento, com choro, prantos e lamentações (ver D&C 112:24).

Agora, não desejo ser um alarmista. Não desejo ser um profeta fatídico. Estou otimista. Não acredito que este seja o tempo quando uma calamidade devastadora irá afligir-nos. Eu oro fervorosamente para que não seja assim. Há tanto do trabalho do Senhor ainda a ser feito. Nós e nossos filhos depois de nós deveremos fazê-lo.

Posso assegurar-lhes de que nós, que somos responsáveis pela administração dos assuntos da Igreja, seremos prudentes e cuidadosos como temos tentado ser no passado. Os dízimos da Igreja são sagrados. Eles são aplicados na maneira estabelecida pelo Próprio Senhor.

Chegamos a ser uma organização muito grande e complexa. Desenvolvemos muitos programas extensos e dispendiosos. Mas eu posso garantir-lhes que não ultrapassaremos a nossa arrecadação. Não colocaremos a Igreja em débito. Ajustaremos aquilo que fazemos aos recursos que estão disponíveis.

Quão agradecido estou pela lei do dízimo. É a lei financeira do Senhor. Ela é estabelecida em poucas palavras na seção 119 de Doutrina e Convênios. Ela provém de Sua sabedoria. A cada homem e mulher, a cada menino ou menina nesta Igreja que paga um dízimo honesto, seja grande ou pequeno, eu expresso gratidão pela fé que está em seus corações. Eu relembro a vocês, e a todos os que não pagam o dízimo e que deveriam fazê-lo, que o Senhor prometeu maravilhosas bênçãos (ver Malaquias 3:10-12). Ele também prometeu que “aquele que paga o dízimo não será queimado na sua vinda” (D&C 64:23).

Expresso apreço aos que pagam ofertas de jejum. Isto não custa ao doador mais do que ficar sem duas refeições por mês. Torna-se a espinha dorsal de nosso Programa de Bem-Estar, destinado a assistir aos que estão em dificuldades.

Agora, todos nós sabemos que a guerra, a contenda, o ódio e o sofrimento da pior espécie não são novidades. O conflito que presenciamos hoje é apenas mais uma demonstração daquela guerra nos céus. Eu cito o livro de Apocalipse:

“E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;

“Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus,

“E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.

“E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo” (Apocalipse 12:7-10).

Este deve ter sido um terrível conflito. As forças do mal foram posicionadas contra as forças do bem.

O grande enganador, o filho da manhã, foi derrotado e banido, levando consigo um terço das hostes dos céus.

O livro de Moisés e o livro de Abraão esclarecem mais sobre este grande combate. Satanás intentava retirar do homem o seu livre arbítrio e obter para si todo o crédito e a honra e a glória. Oposto a isto estava o plano do Pai, o qual o Filho afirmou que Ele iria cumprir, sob o qual Ele veio à terra e deu Sua vida para expiar os pecados da humanidade.

Desde os dias de Caim até o presente, o adversário tem sido o grande mentor dos terríveis conflitos que têm causado tanto sofrimento.

A traição e o terrorismo começaram com ele. E eles continuarão até que o Filho de Deus retorne para governar e reinar com paz e retidão entre os filhos e filhas de Deus.

Através dos séculos, homens e mulheres, tantos, tantos têm vivido e morrido. Alguns morrem no conflito que está diante de nós. Para nós, e prestamos solene testemunho disso, a morte não será o fim. Existe vida além desta, tão seguramente quanto existe vida aqui. Por meio do grandioso plano, o qual tornou-se a própria essência da guerra nos céus, os homens continuarão a viver.

Jó perguntou, “Morrendo o homem, porventura tornará a viver?” (Jó 14:14). Ele respondeu: “Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.

“E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Deus,

“Vê-lo-ei, por mim mesmo, e os meus olhos, e não outros o contemplarão” (Jó 19:25-27).

Agora, irmãos e irmãs, devemos cumprir nosso dever, seja ele qual for. A paz poderá ser-nos negada por algum tempo. Algumas de nossas liberdades poderão ser restringidas. Poderemos ter inconveniências. Poderemos até ser convidados a sofrer de uma ou outra forma. Mas Deus, nosso Pai Eterno, cuidará desta nação e de todo o mundo civilizado que o buscar. Ele declarou: “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor” (Salmos 33:12). Nossa segurança reside no arrependimento. Nossa força vem da obediência aos mandamentos de Deus.

Oremos. Oremos por retidão. Oremos pelas forças do bem. Estendamos a mão para ajudar aos homens e mulheres de bem, não importa qual seja a sua crença religiosa e onde vivam. Estejamos firmes contra o mal, tanto em casa quanto no exterior. Vivamos dignos das bênçãos dos céus, reformando nossas vidas quando necessário, e buscando a Ele, o Pai de todos nós. Ele disse: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus” (Salmos 46:10).

Estes são tempos perigosos? São. Mas não há necessidade para o medo. Podemos ter paz em nossos corações e paz em nossos lares. Podemos ser uma influência para o bem neste mundo, cada um de nós.

Que o Senhor dos céus, o Todo-poderoso, nos abençoe, nos ajude, ao andarmos por caminhos diversos nos dias incertos que estão à frente. Que busquemos a Ele com fé inabalável. Que depositemos dignamente nossa confiança em Seu Amado Filho, que é o nosso grande Redentor, seja na vida ou na morte, é minha oração em Seu Santo Nome, mesmo o nome de Jesus Cristo, amém.


Share/Bookmark ~ domingo, 23 de maio de 2010 1 Comentários

Discipulado, Élder Neal A. Maxwell


Elder Neal A Maxwell, dos Doze, vem tratando-se de câncer há uns dois anos. Ele fala neste artigo, sobre os desafios desta vida e as perspectivas com que os encaramos.




Nos últimos meses, tenho recebido uma atenção tão excepcional dos médicos, enfermeiras e de outras pessoas, que a minha admiração é mais profunda que nunca por aqueles que cuidam dos enfermos.

Portanto, em virtude do meu amor e preocupação por vocês, vou ser bastante direto e, ao mesmo tempo, vou tentar levá-los a pensar de uma maneira um pouco diferente sobre o que vocês fazem profissionalmente, sobre o seu serviço que representa a segunda milha e sobre o seu discipulado.



Os últimos dias serão dias sombrios.



No Velho Testamento, Joel e Zefanias disseram que os últimos dias seriam dias sombrios. Sombrios é uma palavra curiosa, mas é nesse tipo de mundo que vocês e eu fomos chamados a viver e a brilhar como luzes para o mundo.

As escrituras nos dizem que o amor de muitos “esfriará” nos últimos dias. Entretanto, ainda existirão milhares de homens e mulheres amorosos em todas as religiões, raças e povos. Haverá um enfraquecimento do amor e também um notável crescimento da obscuridade, parte da qual é proveniente da quase instantânea e global percepção de fatos terríveis que ocorrem em todo o planeta. Alguns dos mais jovens têm sentido essa percepção crescer, mas não foi há muitas décadas atrás que passavam-se semanas até que as notícias de uma tragédia chegassem do outro lado do mundo. Portanto, a percepção das causas da escuridão é aumentada ainda mais.

Desejo compartilhar com vocês uma profecia de Brigham Young que nos faz pensar seriamente. O Presidente Young disse: “Foi-me revelado no início da Igreja que à medida que esta Igreja crescesse e se expandisse através das nações do mundo, que em igual proporção cresceria o poder de Satanás.” Esta é uma circunstância que podemos atestar por experiência própria. Rejubilamo-nos, com propriedade, pelo crescimento da Igreja em todo o mundo. Mas, ao mesmo tempo, não deveríamos nos surpreender com a intensificação da iniqüidade. Temos, portanto, Joel, Zefanias e Brigham Young dando-nos uma advertência que se associa àquela dada por Jesus de que o amor de muitos se esfriaria. Isso nos provê um contexto interessante, ímpar, acredito, em toda a história da humanidade. Nunca antes o Evangelho esteve sobre a Terra com a promessa de que nunca mais dela seria tirado. Da mesma maneira, nunca o Reino de Deus foi tão global, cumprindo a profecia de Néfi de que ele se espalharia por toda a face da Terra.



Tende bom ânimo



Não é interessante que em meio a essas profecias de escuridão que Jesus nos exortasse a ter bom ânimo? Fascina-me que, quando em face das circunstâncias não havia nada para se sentir ânimo, Jesus tenha dito aos Doze para ter bom ânimo. Como é que Ele podia esperar que tivessem bom ânimo?

Ele logo seria crucificado, os discípulos logo seriam espalhados como ovelhas e haveria outras sérias dificuldades. Entretanto, Ele deu-lhes razões para que tivessem bom ânimo. “No mundo sofrereis tribulações, mas tende bom ânimo, pois eu venci o mundo.” Jesus estava quase completando a expiação, o clímax de toda a história humana. A morte seria irrevogavelmente vencida e toda a humanidade receberia a imortalidade. Satanás não conseguiria frustrar o desenrolar do plano de salvação e, além disso, haveria a vida eterna para aqueles que tivessem grande fé. Portanto, Jesus estava dizendo que tivéssemos bom ânimo por causa dessas realidades resplandecentes, não por causa das coisas superficiais desta vida. Fico pensando, falando a mim mesmo e a vocês, se esse princípio não é uma distinção à qual nos devemos agarrar no contexto dos problemas que viremos a enfrentar. Por exemplo, quando Cristo visitou Paulo na prisão, Ele lhe disse para Ter bom ânimo. Não é curioso que Paulo tivesse acabado de ser esbofeteado de maneira pública e humilhante por ordem de Ananias, que quarenta indivíduos estivessem planejando matá-lo e ainda que ele estava prestes a ser julgado por traição? O que poderia fazê-lo ter bom ânimo?

Jesus disse a Paulo para ter bom ânimo porque logo ele levaria as boas novas do evangelho a Roma. Portanto, é muitíssimo importante lembrarmo-nos das diferenças entre as realidades fundamentais, as bênçãos que temos no evangelho e aquelas circunstâncias táticas e imediatas que não são muito boas.

Nesta dispensação, Jesus nos disse para termos bom ânimo. Por quê? Porque Ele nos prometeu “Eu os guiarei”.

Pensem nos doze quando viram o Salvador caminhando sobre a água em meio à tempestade na Galiléia. Sabendo que seus discípulos tinham medo, disse-lhes: “Tende bom ânimo.” Em seguida, Ele os confortou dizendo-lhes, “Sou eu.” O Senhor do universo é capaz de andar sobre as águas e Seus propósitos serão alcançados.

Se pudermos compreender essas razões fundamentais para termos bom ânimo, seremos capazes de atravessar as vicissitudes da vida que são, taticamente, muito perturbadoras.

Como sabemos, os nefitas que pertenciam à Igreja neste hemisfério foram certa vez tomados como reféns e condenados à morte caso os sinais do nascimento de Jesus não aparecessem na data exata para a qual tinham sido profetizados.

Mesmo naquelas condições, Jesus disse-lhes para terem bom ânimo. Por quê? Porque, disse Ele, “amanhã virei ao mundo.” As pessoas haviam esperado séculos pela ressurreição e agora a expiação estava apenas 33 anos à frente. Assim, mais uma vez, observamos essa nítida distinção entre fatos fundamentais que são estratégicos e eternos em sua importância e as circunstâncias táticas da vida, que às vezes, são muito infelizes.

Na década de 1820, Brigham Young sentia-se às vezes um jovem desanimado. Ele via muita coisa no mundo que ele reprovava e ficava pensando se havia algo que poderia fazer. Observem que seu irmão, Phineaus, disse a Brigham: “Não esmoreça, Brigham, pois sei que o Senhor vai fazer algo por você.” O resto da história, claro, é muito semelhante àquela de Moisés.



Não Murmures



Falo sobre essas diferenças básicas entre circunstâncias táticas e fatos estratégicos porque acredito que cada um de nós terá que aprender a fazer essa distinção e encontrar nosso caminho em meio a ela. Se não tiverrmos cuidado, um dos riscos que corremos como pessoas conscientes e comprometidas é de, que, apesar de fazermos boas coisas, freqüentemente murmuraremos ao executá-las.

Penso sempre em Tevia, personagem do filme O Violinista no Telhado. Lembram-se de suas constantes e interessantes observações dirigidas a Deus? A maioria delas eram murmurações. Pelo menos Tevia era honesto quando murmurava. Às vezes, vocês e eu murmuramos sem nem pensarmos quem é o destinatário final de nossas reclamações. Talvez não tenhamos a intenção de murmurar contra Deus, mas é isso que estamos fazendo, ainda que não o reconheçamos.

Observem nas escrituras as coisas sobre as quais murmuramos. “Precisamos de pão.” “Precisamos de água.” “O reforço militar ainda não chegou.” “Por saímos do Egito?” E, mais tarde, Lamã e Lemuel murmuravam “Por que saímos de Jerusalém?”

A murmuração quase sempre se concentra sobre nossas frustrações táticas. Entretanto, o bom ânimo se centraliza nos fatos estratégicos fundamentais que são as verdadeiras causas da felicidade.

Em meio a muitos outros versículos de O Livro de Mórmon, encontramos quase escondidas estas interessantes linhas sobre a murmuração: “E assim Lamã e Lemuel murmuravam por desconhecerem os procedimentos daquele Deus que os havia criado.” Eles não tinham obtido a visão mais ampla.

Assim, quando tiveram que abdicar de todas as suas posses e, por assim dizer, a sua condição de sócios do Jerusalém Country Club, para saírem ao deserto com seu pai, murmuraram. Eles não compreendiam o plano de salvação.

Previno a mim mesmo e também a vocês sobre a murmuração porque o murmurar pode destruir as coisas excelentes que boas pessoas fazem. O murmurar pode ser divertido, mas nunca é uma boa coisa. Minha mulher às vezes é a vítima de meu murmurar quando os sinais de trânsito não funcionam direito. É como se esperássemos que a vida devesse fluir calmamente em uma série ininterrupta de sinais verdes até encontrarmos uma vaga para estacionar bem em frente ao lugar onde vamos. Quando tal não acontece, a gente acha que teve um dia ruim.

Se conseguirmos perceber o que o murmurar significa, pensaríamos duas vezes antes de murmurar. Li, em O Livro de Mórmon algo sobre pessoas que vivem em conflito: “Mas seu pesar era o pesar dos condenados porque o Senhor não lhes permitiria deleitar-se continuamente no pecado.” Há pessoas que esperam realmente encontrar felicidade no pecado. Em vez disso, encontram tristeza profunda que é tão abissal que não encontra alívio. Porém, para nós, e me incluo também, se conhecemos o sacrifício expiatório, o plano de salvação, as alegres novas do evangelho, coisas essas que são as razões fundamentais para termos bom ânimo, que diferença faz se a gente perder o ônibus ou o avião? Já murmurei por coisas desse tipo algumas vezes. Não fazê-lo não significa que não sintamos a inconveniência e a frustração, mas o que sugiro é que se desejamos atingir a excelência em nosso discipulado, temos que abandonar o murmurar, pois este é simplesmente incompatível com o mandamento de termos bom ânimo.

Se compreendermos realmente as escrituras que nos dizem que a chuva cai sobre justos e injustos, entenderemos porque às vezes vai chover no posso pique-nique. Falo-lhes sobre o aprofundamento de nosso discipulado porque percebo o quão comprometidos vocês estão com esse propósito.

Desejo compartilhar com vocês alguns exemplos de como os jovens em geral mostram uma submissão espiritual às vezes maior do que nós mais velhos. Uma de minhas experiências mais preciosas ocorreu em um pequeno quarto de hospital em Fortaleza. Um menino estava ali morrendo. Seu nome, Jarede Amon já indica algo sobre a fé dos pais dele. Mas, três de nós visitamos Jarede quando ele estava à morte nos braços de sua irmã adolescente. Usávamos máscaras e tínhamos que ficar em pé e eretos, pois o quarto era tão pequeno que não havia espaço entre a cama e a parede. Perguntamos a Jarede se podíamos fazer algo por ele. Ele respondeu, “Sim, poderiam cantar para mim ‘Sou Um Filho de Deus’?” Duas vozes em português e a minha em inglês cantaram aquele hino para Jarede. Era tudo o que ele queria. Jarede Amon tinha bom ânimo em relação às coisas que mais importavam, embora as circunstâncias táticas fossem tão adversas.

Cantamos aquela canção para ele e três horas mais tarde ele morreu. Seus pais e familiares também tiveram bom ânimo em sua provação.

Cada um de nós tem que ter uma compreensão muito clara dessas questões por causa de outra circunstância que está descrita nas profecias de Joel, Zefanias e Brigham. Estou falando da declaração de Morôni de que “o desespero vem da iniquidade.” Não é interessante? Muito do desespero humano é fruto da iniquidade.

E à medida que as coisas se tornam mais iníquas, haverá mais desespero. Vocês e eu, por outro lado, devemos trazer a alegria do evangelho aos outros deixando-a transparecer em nossas vidas.



Será Preciso Ter Coragem Espiritual



Será necessário termos uma grande coragem espiritual para vencermos os últimos dias. Louvo-os pelo que já fizeram, pelo que estão fazendo e pelo que ainda farão, não apenas profissionalmente, mas em função da segunda milha percorrida pelas suas contribuições humanitárias à família humana. Porém, quando as coisas parecerem um pouco negras e desencorajadoras, pensem neste evento acontecido na Grécia antiga. Um pequeno grupo de guerreiros de Esparta estavam tentando defender uma estreita passagem nas montanhas, em um lugar chamado Termópilas, contra um exército muitas vezes maior de persas. Irritados por serem detidos em seu avanço, os persas começaram a fazer ameaças aos espartanos, tentando fazê-los desistir. Mas os espartanos não se abatiam. Finalmente, os persas deram o seguinte ultimato: “Se vocês não se renderem, vamos escurecer o céu com nossas flechas.” Ouçam agora a resposta corajosa dos espartanos: “Melhor assim, pois lutaremos à sombra”. É esse tipo de coragem espiritual que precisamos ao aproximarmo-nos dos tenebrosos últimos dias.



____________________________________-



Nossas Fraquezas



Além desse desafio contextual, tentei descrever um segundo desafio do qual não seremos poupados. As escrituras nos dizem: “Sim, vinde a Cristo e sede aperfeiçoados nele.” Entretanto, ao começarmos a fazer isso, as escrituras nos dizem algo mais que acontece: “Se os homens vierem a mim, mostrar-lhes-ei suas fraquezas. “

Irmãos e irmãs, não há maneira de virmos a Cristo sem que Ele nos torne mais conscientes de nossas fraquezas, porque Ele nos ama. Porém, às vezes, quando nossas fraquezas são expostas, magoamo-nos. Este é um dos custos do discipulado e é um passo incessante e inevitável.

Mas existe a alentadora promessa de que Ele transformará nossas fraquezas em forças. Assim, quando sofremos dor e frustrações, lembremo-nos das bênçãos extraordinárias das verdades do evangelho.

O discipulado, portanto, nos envolve em nossa isometria individual que nos levará à consagração. Permitam-me ler-lhes estas maravilhosas linhas escritas por Brigham Young, um homem que produziu verdades continuamente: “Quando os Santos dos Últimos Dias decidem resistir pela glória do Reino de Deus, venha o que vier, seja a riqueza ou a pobreza, sejam doenças ou a expulsão pelos arruaceiros, eles dirão que tudo está bem e reconhecerão a mão do Senhor em todas as coisas.”





“Tudo Bem”



Durante os 46 dias que passei no hospital, Coleen, sempre prestativa, esteve comigo a cada dia. Na segunda noite, ela encontrou uma de nossos maravilhosas vizinhas cujo jovem marido de apenas 43 anos estava morrendo de leucemia em um dos quartos próximos. Essa jovem mãe, Liz Nebeker e seu marido tinham feito muito para preparar seus filhos para o que estava à frente. Ele estava morrendo rapidamente. Enquanto Colleen tentava consolá-la, Liz disse algo profundo. Sem saber que estava quase citando Brigham Young, essa jovem mãe disse a Colleen: “Tudo vai ficar bem, tudo vai ficar bem!”.

Ontem recebemos uma maravilhosa carta de Liz, agora cuidando sozinha dos três filhos. A mensagem em sua carta refletia de novo sua força: “Tudo vai ficar bem, tudo vai ficar bem!”.

Vocês e eu precisamos de Ter esse mesmo sentido de nosso discipulado quando passarmos por experiências personalizadas para nosso currículo personalizado.

Não sei quem é o autor deste poema, mas ele descreve o que estou tentando dizer, através da metáfora da tecelagem artesanal:



Minha vida não é mais do que um tecido feito por mim e Deus

Não escolho as cores e Ele trabalha com regularidade

Às vezes ele escolhe a tristeza e eu, em orgulho tolo,

Esqueço-me que Ele vê o direito e eu, só o avesso.

Só depois de silenciar o tear e pararem os fusos

Deus desdobrará a tela e explicará as razões

Os fios escuros são tão necessários nas mãos habilidosas do tecelão

Quanto o são os fios dourados e prateados no conjunto que Ele planejou.



Os fios negros são fundamentais para dar-nos a visão do propósito e do significado dos eventos da vida. É tão importante sermos capazes de ter bom ânimo mesmo nas mais cruéis das circunstâncias táticas.

Entre todas as muitas cartas que as pessoas gentilmente me enviaram, minha favorita foi escrita por uma mãe. O primeiro desafio dela, Debbie, é que ela cria sozinha cinco filhos. Seu segundo desafio é que ela agora está com um segundo tumor no cérebro. O terceiro desafio de Debbie é que seu filho de quatorze anos está com leucemia. Entretanto, em vez de desgastar-se com autocomiseração, Debbie se alegra com a chegada, em dois meses, de seu filho que é missionário nas Filipinas. Não há auto-piedade nessa mulher incomum que, em meio a suas próprias dificuldades, continua a escrever-me a fim de confortar-me.

Agora, irmãos e irmãs, sendo Deus um Pai amoroso, Ele nos guiará de maneira individual e específica. Ele nos mostrará nossas fraquezas. Mas com Sua ajuda, se trabalharmos para vencê-las, essas fraquezas tornar-se-ão forças.

Lembram-se da história do jovem rico e bom que aproximou-se de Jesus e que caindo a Seus pés, clamou: “Mestre, o que devo fazer para ganhar a vida eterna?" Jesus deu-lhe uma única resposta: “Guarda os mandamentos.” O jovem rico assegurou ao Mestre que isso fizera desde sua mocidade. Com vislumbre celestial, Jesus continuou: “Uma coisa ainda de falta. Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres.” Nesse ponto, o jovem rico afastou-se tristonho porque tinha muitas riquezas.

(Minha esposa, otimista incorrigível, é da opinião que esse jovem voltou a Jesus uma semana mais tarde e disse-Lhe que havia mudado de opinião. Espero que tenha sido assim.)

Mas observem quão particular esse desafio era para aquele jovem rico. Observem o quão personalizada foi a sua prova, centralizando-se nas coisas materiais que significavam tanto para ele.

Observem também que na Seção 121 de Doutrina e Convênios o Senhor diz que parece que não aprendemos essa única lição – que os poderes do céu estão inseparavelmente ligados aos princípios da retidão.

Se refletirmos sobre os desafios que cada um de nós tem tido, compreenderemos o que o Senhor quer dizer quando disse em Mosias sobre disciplinar e testar nossa paciência e nossa fé.

Por que esse teste é tão difícil para a maioria de nós? Porque ele envolve paciência e fé – não nossa habilidade de ganhar dinheiro ou obter poder político.

Essas orientações pessoais são as taxas que pagamos pela nossa educação continuada. Algumas bênçãos vêm em forma de limitações e nos irá bem se pudermos aceitá-las enquanto ainda somos humildes. Precisamos entender que o Senhor usará todos os meios que Ele considere necessário porque Ele nos ama o suficiente para educar-nos individualmente.

Encerro com uma pequena história que foi uma grande bênção para mim por ter tido nela uma pequena participação. Quando conversei recentemente com um pai tomado pelo câncer, ele confidenciou-me essas palavras de sua filha de nove anos, Melissa, quando ela oferecia a oração familiar. “Pai Celestial, se Tu precisas levar meu paizinho, está tudo bem, mas nós gostariamos que ele ficasse conosco. Pai Celestial, faça-se a Tua vontade, mas ajude-nos a não ficarmos com raiva de Ti.”

Pensem na submissão espiritual dessa criança! Melissa já está bem à frente na estrada do discipulado com esse tipo de submissão. Que bênção ela é para seus maravilhosos pais.

Próximo ao final de 3 Néfi, Jesus ensinou aos pais e depois soltou a língua das crianças. A escritura diz-nos que as crianças em seguida ensinaram a seus pais coisas maiores do que Jesus lhes havia ensinado. Assim também foi com Melissa Howes e Jarede Amon.

Advirto a vocês e a mim que se não tomarmos cuidados, poderemos nos sentir desencorajados em meio às tristezas, poderemos vir a murmurar. É tão fácil esquecer temporariamente as razões fundamentais que temos para ter bom ânimo.

Adoro o que Enoque disse depois que o Senhor mostrou-lhe algumas de suas criações. Enoque não lhe perguntou quantas galáxias ele havia criado ou sobre o cosmo. O que foi mais satisfatório e profundo para Enoque saber estava resumido nas profundas palavras que ele disse ao Senhor: “No entanto, Tu estás lá”. Isso é o que importava para Enoque.

Portanto, tenhamos bom ânimo em virtude de todas as razões estratégicas enquanto abrimos nosso caminho através da miríade de coisas táticas. Obrigado por amarem os filhos de Nosso Pai Celestial e por irem muito além do dever e por serem o tipo de homens e mulheres que são.

Deus os abençoe pelo seu serviço, pelo qual me regozijo, em nome de Jesus Cristo, amem.



Elder Neal A Maxwell é membro do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Este discurso foi proferido na reunião anual de Collegium, em abril de 1998.



Tradução de Edson J M Lopes


Share/Bookmark ~ quarta-feira, 19 de maio de 2010 5 Comentários

Quais São As Características Importantes De Um Líder Religioso?, Élder Neal A. Maxwell


“Jesus não era somente um homem perfeito, era também um líder perfeito. Na vida alguns indivíduos que são bons, não são bons líderes. Vemos outros que são bons líderes, mas não são bons. Jesus era perfeito nos dois aspectos. De muitas maneiras, ambos, Jesus e sua condição eram tão especiais que não podemos repetir ou copiar a sua atuação. Entretanto, muitas coisas feitas por Ele servem de exemplo para nós.




1. Jesus amou aos povos que liderou. Se você não amar as pessoas que pretende liderar, em breve as decepcionará ou trairá. Se os seguidores souberem que o Líder os ama, estarão certos de que poderão confiar nele. Isto significa que o Líder pode ensinar a seus seguidores como um amigo. Nossos amigos são freqüentemente nossos mestres.



2. A liderança de Jesus tinha um propósito. Propósito este que seus seguidores passaram a apreciar e a compartilhar. Sem um bom propósito o Líder não pode achar, nem manter bons discípulos.



3. Os seguidores são diferentes. Um bom Líder está consciente de que cada um de seus seguidores são diferentes entre si, e mostra a eles como podem ajudar ao Líder à sua própria maneira.



4. O exercício do livre arbítrio. Um bom Líder não incute em seus seguidores o sentimento de que são obrigados a seguir. Ele é muito honesto ao descrever problemas que talvez encarem juntos.



5. Jesus deu aos seus discípulos tarefas significativas, não só tarefas de pouca importância para preencher as horas. Isto ajuda a preencher seu tempo de modo a ganharem experiência, que os ajudarão a tomarem suas próprias decisões, levando-os a não dependerem sempre de seu Líder. O Líder é responsável não só pelas suas mordomias mas também, e principalmente, para com seu povo. Ele lhes ensina os princípios corretos e dá ao grupo uma maior liberdade para que se governe a si mesmo. Dessa maneira os seus seguidores podem usar essa liberdade para crescer.



6. Um bom Líder é um bom ouvinte. Ele cria um ambiente em que seus seguidores podem conversar com ele sem timidez e sem se preocuparem em receber críticas que não sejam construtivas. Alguns chamam a isto de ‘feedback’. Este ‘feedback’ ajuda o Líder a saber como é que o seguidor realmente se sente. Jesus, naturalmente, com seu discernimento divino, podia ler os corações e mentes sem errar, mas outros líderes devem procurar o ‘feedback’ para que possam se tornar melhores líderes.



7. Jesus aplicou seus ensinamentos ao mundo hoje existente e ao mundo vindouro. Os milagres de Jesus representavam o poder empregado para fazer o bem e é desta forma que você deve usar o poder e autoridade que possui – para fazer o bem – desta forma estará conquistando a amizade daqueles aquém lidera e ensinando-os ao mesmo tempo.

8. Uma das características de um bom Líder é a de sempre ajudar os membros de seu grupo a investir suas idéias e sentimentos nas metas e trabalhos do grupo. Se os membros forem envolvidos nos planos e metas do grupo, agirão melhor, ao passo que se o Líder apenas anunciar a sua decisão ou tentar vender a sua idéia, este agirá sem ânimo. O grupo, pode até tentar seguir a idéia quando esta for anunciada, mas logo torna-se claro que não há o sentimento de ânimo pelo projeto entre os seus membros.



9. Jesus fazia perguntas. Jesus freqüentemente fazia aos seus discípulos perguntas que os ajudavam a pensar com cuidado em suas idéias e a entender melhor o que Ele procurava ensinar. Um bom Líder motiva seu grupo a encontrar sua própria resposta, que certamente será uma contribuição para o próprio grupo, visto que o líder, por mais sábio que seja, não saberá todas as respostas sempre.



10. Um bom Líder é constante. Não é como um camaleão – um bicho parecido com u lagarto – que muda de cor de acordo com o ambiente. Um bom Líder não fica tentando combinar com os ambientes sociais que não condizem com o seu modo de ser mas, ao mesmo tempo, faz com que seus seguidores o respeitem pelo que é.



Os primeiros dois discípulos, impressionados por causa de Jesus, queriam aprender mais sobre Ele e sobre o que Ele fazia. Jesus, então lhes dizia: ‘Vinde e vede’. Um bom Líder deve sempre estar pronto para mostrar aos seus seguidores o que ele é realmente. Se tentar enganar seus seguidores ou usa-los para propósitos egoístas, destruirá toda a confiança do grupo.



Em sua aparição aos nefitas, disse Jesus: ‘... Eis que eu sou a luz; eu dei-vos o exemplo... Eis que eu sou a luz que levantareis – aquilo que me vistes fazer...’ (3 Nefi 18:16,24). Jesus encorajou todos a fazerem o que Ele fez, a viver como Ele viveu para que pudessem ‘sentir e ver’. De modo a fazer com que os outros vejam e sintam. O Líder religioso deve possuir as características que mostrem sua espiritualidade e exemplo.



Algumas autoridades já escreveram sobre dois tipos de líderes. O primeiro é o Líder grande, com “L” maiúsculo. Este é aquele que faz tudo, toma todas as decisões. Ele está rodeado de pequenos líderes que o seguem mas não compartilham de suas experiências de crescimento. Você não deve ser assim. Deve ser um Líder com “L” maiúsculo sim, mas do tipo que compartilha suas experiências com seus seguidores para que venham a tornar-se também grandes líderes. Desse modo todos crescem, progridem e você mostra ser o melhor tipo de Líder que existe.



A liderança compartilhada está de acordo com o propósito da vida. Viemos à terra para crescer. Não podemos crescer a menos que tenhamos experiências boas. Não podemos ter boas experiências sem que participemos e aprendamos a empregar o nosso livre arbítrio. Jesus preparou os seus discípulos para liderar depois que Ele já tivesse ido. É desta forma que você deve orientar seus seguidores, de forma que estejam aptos a tomar o seu lugar quando você se for.”


Share/Bookmark ~ terça-feira, 11 de maio de 2010 8 Comentários

Como Obter a Revelação Pessoal, Élder Bruce R. McConkie


Líderes da Igreja Recebem Revelação




Nós, como povo, temos o costume de dizer que acreditamos na revelação nestes últimos dias. Anunciamos com bastante ousadia que os céus se abriram e que Deus falou em nossos dias, que os anjos ministraram aos homens, que houve visões e revelações, e que não foram negados nenhum dom assim como nenhuma graça que possuíram os antigos – tudo se tem revelado novamente em nossos dias.



Mas geralmente falamos assim quando pensamos em Joseph Smith, Brigham Young, David O. McKay, ou algum outro Presidente da Igreja. Pensamos em apóstolos e profetas – homens chamados, selecionados e pré-ordenados para as posições que ocupam e para o serviço ministerial que prestam. Supomos que eles, assim como a Igreja em si, funcionam por meio de revelação.



Ora, não há dúvida quanto a tudo isso: a organização a que pertencemos é literalmente o reino de Deus. É o reino de Deus na terra, e tem o propósito de nos preparar e qualificar para entrar no reino de Deus no céu, o qual é o reino Celestial. Esta Igreja é guiada por revelação. Em várias ocasiões, tenho participado de reuniões com os Irmãos em que o Presidente da Igreja, que é o Profeta de Deus na terra, disse humildemente e com fervoroso testemunho que o véu é fino, e que o Senhor está guiando e dirigindo os assuntos da Igreja, e que esta é a Sua Igreja, e que nela está manifesta a Sua vontade.



Há inspiração à cabeça, e a Igreja está em plena execução de seus deveres; está progredindo da maneira como o Senhor deseja. Não há dúvida de que a Igreja recebe revelação a toda a hora. Uma vez alguém disse ao irmão John A. Widtsoe, falando de maneira pejorativa, “Quando foi que a Igreja recebeu sua última revelação?” Ele respondeu, “Bem, hoje é domingo, então a última veio na quinta-feira passada.” E é realmente assim tão simples. Os Irmãos recebem orientação e revelação continuamente, quando se reúnem para tratar dos assuntos da Igreja.



A Revelação Não se Reserva para Poucos



Desejo chamar vossa atenção, porém, ao fato de que a revelação não se restringe apenas para o Profeta de Deus na terra. As visões da eternidade não são reservadas somente para apóstolos, nem tampouco para as Autoridades Gerais. A revelação é algo que deve chegar a cada indivíduo. Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10:34), e assim cada alma, vista de uma perspectiva maior, é tão preciosa à Sua vista quanto o são as almas daqueles que são chamados a posições de liderança. Por Ele operar segundo os príncipios da eterna, universal e perfeita lei, qualquer indivíduo que obedecer à lei que lhe dá o direito de receber revelação pode saber exata e precisamente o que sabe qualquer profeta, pode receber anjos tão bem quanto Joseph Smith os recebeu, e pode estar em plena sintonia com todas as coisas do Espírito. (Alma 26:21-22)



A Revelação Pessoal



Joseph Smith disse: “A leitura das experiências dos outros, ou das revelações que lhes foram concedidas, nunca pode nos dar uma visão compreensiva de nossa condição e de nosso verdadeiro relacionamento com Deus. O conhecimento destas coisas só se obtém pela experiência, através das ordenanças de Deus que foram instituídas para este propósito. Se pudésseis contemplar o reino celestial por cinco minutos, conheceríeis mais do que pela leitura de tudo que já foi escrito a respeito do assunto”. (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 324, edição inglesa)



Ora, reparai esta frase: “Se pudésseis contemplar o reino celestial por cinco minutos, conheceríeis mais do que pela leitura de tudo que já foi escrito a respeito do assunto”. Acho que cabe a nós recebermos a revelação pessoal, para saber por nós mesmos, independentes de qualquer outro indivíduo ou grupo de pessoas, o que é a disposição e a vontade do Senhor pertencente a Sua Igreja e a nós em nossos interesses pessoais.



O Campo Intelectual e o Campo Espiritual



Podemos dividir a esfera da pesquisa entre um campo intelectual e um campo espiritual. Nas salas acadêmicas, buscamos o conhecimento principalmente no campo intelectual, conhecimento esse que recebemos na grande maioria das vezes por meio do raciocínio e pelos sentidos que Deus nos deu, para transmitir o conhecimento ao espírito que reside em nós. “A mente do homem,” disse o Profeta, na verdade, “está no espírito” (Vede Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 353, edição inglesa). Assim falamos em aprendermos certas coisas – e fazemos isto no campo intelectual. Adquirimos uma porção de conhecimento desta forma, e passamos grande parte de nosso tempo empregados nesta busca.



Isto é extremamente vital e importante – e encorajamos que o façam todos os que desejam o progresso, a iluminação e o avanço em suas vidas.



Mas precisamos dedicar uma porção cada vez maior de nosso tempo para realmente buscar o conhecimento da esfera espiritual. Quando lidamos com realidades espirituais, não se fala em ganhar algo apenas por meio do raciocínio, não se fala na transmissão do conhecimento de algum modo a nossas mentes ou ao espírito que está dentro de nós por meio dos sentidos apenas, e sim falamos na revelação. Trata-se do aprender a chegar ao conhecimento das coisas de Deus por meio da afinação de nosso espírito ao eterno Espírito de Deus. Tal rumo é a maneira principal que a revelação chega ao indivíduo.



Não me preocupo muito quando alguém escreve ou avalia ou analiza de um ponto de vista intelectual um problema doutrinário ou um problema da Igreja de qualquer tipo. Ninguém duvida que tudo na esfera espiritual esteja em total e completa harmonia com as realidades intelectuais a que chegamos pelo raciocínio, mas quando os dois são comparados e avaliados e ponderados com respeito aos seus relativos méritos, as coisas de maior importância fazem parte da esfera espiritual e não da intelectual. As coisas de Deus são conhecidas apenas por meio do Espírito de Deus (1 Coríntios 12:3).



Religiosidade Verdadeira Exige o Envolvimento Pessoal



É verdade que se pode raciocinar a respeito de questões doutrinárias, mas não se experimente a religiosidade verdadeira a não ser pela experiência própria – não até que se sinta algo em sua alma, até que haja uma mudança em seu coração, até que se torne uma nova criatura do Espírito Santo. Felizmente, cada membro da Igreja tem a oportunidade de fazer isto, pois em conjunto com o seu batismo, cada membro da Igreja recebe a imposição das mãos de um administrador legal, e recebe a promessa, “Recebe o Espírito Santo”. Assim o membro obtém “o dom do Espírito Santo”, o qual, por definição, significa que tem direito à companhia constante deste membro da Deidade, conforme sua fieldade e retidão pessoal.



Ora, digo que temos o direito à revelação. Afirmo que cada membro da Igreja, independente de qualquer posição que ocupe, tem direito à revelação do Espírito Santo; tem direito a receber anjos; tem direito a contemplar as visões da eternidade; e se quisermos seguir este pensamento até sua finalidade, tem direito a ver Deus, assim como qualquer profeta real e literalmente viu a face da Deidade (D&C 76:1-10; 93:1).



Cada Homem é Profeta para Si Próprio



Falamos dos profetas dos últimos dias; pensamos em termos de profetas que predizem o destino futuro da Igreja e do mundo. Mas além disso, a verdade é que cada um deve ser profeta para si próprio e para os seus próprios interesses e afazeres. Foi Moisés quem disse: “Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta, e que o Senhor pusesse o seu espírito sobre ele” (Números 11:29). Foi Paulo que disse que devemos “[procurar], com zelo, profetizar” (1 Cor. 14:39).



Uma Doutrina de Revelação Pessoal



Deixai-me tomar esta ocasião para ler algumas declarações das revelações dadas ao Profeta Joseph Smith, as quais, examinadas coletivamente, estabelecem a fórmula, digamos, pela qual eu como indivíduo posso vir a conhecer as coisas de Deus pelo poder do Espírito.



Eis uma das coisas que o Senhor declarou: “Eu te falarei em tua mente e em teu coração, pelo Espírito Santo que virá sobre ti e que habitará em teu coração. Ora, eis que este é o espírito de revelação” (D&C 8:2-3).



Esta revelação fala da comunicação de um espírito para outro – o Espírito Santo falando com o meu de uma maneira que é incompreensível à mente, mas que é clara e simples para o entendimento espiritual – transmitindo conhecimento, inteligência, verdade e dando um conhecimento seguro das coisas de Deus.

Ora, isto se aplica a todos: “Deus vos dará conhecimento, por seu Santo Espírito, sim, pelo indescritível dom do Espírito Santo, conhecimento esse que não foi revelado desde a fundação do mundo até agora; o qual nossos antepassados aguardaram com ansiedade que se revelasse nos últimos tempos” (D&C 121:26-27).



Eis outra passagem gloriosa. Esta não se dirige às Autoridades Gerais. Nem tampouco para os profetas de Deus. Esta se dirige a cada pessoa na Igreja. Ou seja, é uma revelação pessoal para você:



“Pois assim diz o Senhor: Eu, o Senhor, sou misericordioso e benigno para com aqueles que me temem e deleito-me em honrar aqueles que me servem em retidão e em verdade até o fim.



“Grande será sua recompensa e eterna a sua glória.



“E a eles revelarei todos os mistérios, sim, todos os mistérios ocultos de meu reino desde a antigüidade; e por eras futuras dar-lhes-ei a conhecer a boa disposição de minha vontade concernente a todas as coisas relativas a meu reino.



“Sim, até as maravilhas da eternidade conhecerão e coisas futuras mostrar-lhes-ei, sim, coisas de muitas gerações.



“E sua sabedoria será grande e seu entendimento alcançará os céus; e diante deles a sabedoria dos sábios perecerá e o entendimento dos prudentes se desvanecerá.



“Porque pelo meu Espírito os iluminarei e pelo meu poder dar-lhes-ei a conhecer os segredos de minha vontade – sim, até as coisas que o olho não viu nem o ouvido ouviu e ainda não entraram no coração do homem” (D&C 76:1-10)



Podemos receber anjos, podemos ter sonhos, podemos ter visões, podemos ver a face do Senhor. Eis aqui uma promessa relativa a isto: “Em verdade assim diz o Senhor: Acontecerá que toda alma que abandonar seus pecados e vier a mim e incovar meu nome e obedecer a minha voz e guardar meus mandamentos verá minha face e saberá que eu sou” (D&C 93:1).



Não Há Salvação sem a Revelação



O profeta Joseph disse que o véu poderia facilmente ser rompido hoje, contanto que nos uníssemos como élderes do reino em fé e em retidão e nos qualificássemos para receber as visões da eternidade (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 9, edição inglesa).



Eis uma declaração de Joseph Smith:



“Não há salvação sem a revelação [e não me refiro à revelação que iniciou a dispensação em que vivemos – refiro-me à revelação pessoal]; é fútil que alguém pregue sem ela. Nenhum homem é ministro de Jesus Cristo sem ser profeta. Nenhum homem pode ser ministro de Jesus Cristo sem que tenha o testemunho de Jesus; e este é o espírito de profecia. Onde quer que a salvação tenha sido ministrada, foi pelo testemunho. Hoje em dia os homens testificam do céu e do inferno, e contudo nunca os viram; digo-vos que ninguém conhece estas coisas sem isto” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 160, edição inglesa).



Temos direito à revelação. A revelação pessoal é essencial para nossa salvação. As escrituras estão repletas de exemplos disso. Eis uma das coisas que Néfi disse: “Se não endurecerdes o coração e me pedirdes com fé, acreditando que recebereis, guardando diligentemente os meus mandamentos, certamente estas coisas vos serão dadas a conhecer” (1 Néfi 15:11).



Há uma declaração no Livro de Mórmon a respeito de alguns missionários muito bem sucedidos, os filhos de Mosias: “Eram homens de grande entendimento e haviam examinado diligentemente as escrituras para conhecerem a palavra de Deus.



“Isto, porém, não é tudo; haviam-se devotado a muita oração e jejum; por isso tinham o espírito de profecia e o espírito de revelação; e quando ensinavam, faziam-no com poder e autoridade de Deus” (Alma 17:2-3).



Tomarei tempo para mais uma citação. Esta é do Profeta Joseph Smith:



“Uma pessoa pode se beneficiar ao reconhecer a primeira intimação do espírito de revelação; por exemplo, quando sentirdes o influxo da pura inteligência, talvez ele vos dê lances repentinos de idéias, de modo que, ao reconhecê-lo, podeis vê-lo cumprido no mesmo dia ou logo após; [isto é] aquelas coisas que vos foram apresentadas na mente pelo Espírito de Deus virão a suceder; e assim chegando a conhecer e entender o Espírito de Deus, podeis vos fortalecer no princípio da revelação, até que sejais perfeitos em Cristo (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 151, edição inglesa).



Necessitamos da Experiência Religiosa



As escrituras dizem muito a respeito disso. O Profeta e todos os outros profetas disseram muito a esse respeito. O que isso significa para nós é que precisamos da experiência religiosa; precisamos ter um relacionamento pessoal com Deus. Não nos convém ler o que alguém disse sobre a religião. Leio freqüentemente, mas principalmente para minha própria diversão e lazer, o que alguém disse de forma crítica sobre a Igreja ou o que algum professor de religião diz a respeito dos princípios da Cristandade. Na verdade, tais opiniões não são de grande importância. Não vale nada o que alguém diz de forma crítica sobre a Igreja; nem tampouco quando alguém escreve para avaliar de um ponto de vista intelectual uma doutrina ou prática ou programa da Igreja – é simplesmente sem conseqüência no que toca a Igreja e seus membros espiritualmente inclinados. A religião não é uma questão do intelecto.





O que Podemos Fazer



Repito, quanto melhor for o nosso intelecto, melhor poderemos avaliar os princípios espirituais, e é maravilhoso ser culto e educado e ter a intuição e a capacidade mental, porque podemos utilizar estes talentos e habilidades na esfera espiritual. Mas o que importa no campo da religião é ser participante pessoal nela. Em vez de ler tudo que já foi escrito e analisar tudo que os estudiosos do mundo já disseram sobre o céu e o inferno, precisamos fazer o que o Profeta disse: contemplar por cinco minutos o Reino Celestial. Como resultado, conheceríamos mais que tudo que já se avaliou ou escreveu ou analizou sobre o assunto.



A religião é uma questão de fazer com que o Espírito Santo faça parte de nossa vida. Estudamos, é claro, e precisamos fazer avaliações. E em virtude de nossos estudos criamos um alicerce que nos ajuda a estar com a atitude apropriada para que possamos buscar as coisas do Espírito. Mas o resultado final é que nossas almas são tocadas pelo Espírito de Deus.



Uma Fórmula para Obter a Revelação



Gostaríeis de uma fórmula que vos diga como receber a revelação pessoal? A minha fórmula é simplesmente o seguinte:



1. Estudai as escrituras.



2. Guardai os mandamentos.



3. Pedi com fé.



Qualquer que fizer isto fará com que seu coração esteja em tão perfeita sintonia com o infinito que entrarão em seu ser, a partir da “voz mansa e suave”, as realidades eternas da religião. E à medida que ele progredir e avançar e se aproximar a Deus, chegará o dia em que receba anjos, em que tenha visões, e a finalidade é ver a face de Deus.



A religião é coisa do Espírito. Usai vosso intelecto para vos auxiliar, mas afinal das contas, precisareis estar em sintonia com o Senhor.



A primeira grande revelação que se precisa é o conhecimento da natureza divina deste trabalho. Chamamos isto de um testemunho. Quando se recebe um testemunho, aprende-se por meio disso a entrar em sintonia com o Espírito e receber a revelação. Assim, ao repetir o processo – entrando em sintonia novamente – pode-se adquirir o conhecimento necessário para dirigir sua vida pessoal. Então, ao progredir neste dom, poderá receber todas as revelações da eternidade que o Profeta ou que todos os outros profetas tiveram em todas as épocas.



Um Testemunho



Até certo ponto, eu, assim como vocês, tenho recebido a revelação. Tenho recebido revelação que me confirmou a verdade desta obra. E em conseqüência disso, eu o sei. E sei disso independente de qualquer estudo ou pesquisa, e o sei porque o Espírito Santo falou ao meu espírito e assim deu-me um testemunho. Conseqüentemente, posso ser ministro legal e dizer a verdade de que Jesus Cristo é o Filho de Deus, que Joseph Smith é sua profeta, que o Presidente da Igreja possui o manto profético hoje, e que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a única Igreja verdadeira e viva na face de toda a terra.
Traduzido por Carl Youngblood


Ademais, em relação ao assunto que hoje abordamos, posso afirmar e testificar que toda pessoa que obedecer à lei, estudar as escrituras, guardar os mandamentos e pedir com fé, poderá receber a revelação pessoal do Todo-poderoso para a alegria e satisfação de sua alma aqui na terra e para a sua salvação eventual na mansão celeste.



(Bruce R. McConkie, Sermons and Writing of Bruce R. McConkie [Salt Lake City: Bookcraft, 1998], 151)

http://materialmormon.ning.com/


Share/Bookmark ~ sábado, 8 de maio de 2010 1 Comentários

A Oração, Élder Bruce R. McConkie


CONFERÊNCIA GERAL DA IGREJA – ABRIL DE 1984

Regozijo-me com o chamado de Russel M. Nelson e Dallin Oaks para, a partir de agora, serem testemunhas especiais do Senhor Jesus Cristo. Eles foram chamados pelo Senhor através do espírito de inspiração, e de agora em diante e para sempre, se farão pilares de retidão nesta casa.




01. ESTOU EMOCIONADO E TOMADO DE PROFUNDO SENTIMENTO DE GRATIDÃO E REGOZIJO PELA BONDADE DO SENHOR PARA COMIGO.

02. ELE ME PERMITIU SOFRER DORES, SENTIR ANSIEDADE E PROVAR DE SEU PODER DE CURA. SOU PROFUNDAMENTE GRATO PELA FÉ E PRECES DE MUITA GENTE, PELAS PETIÇÕES SINCERAS QUE TÊM SUBIDO AO TRONO DA GRAÇA EM MEU FAVOR.



03. AGRADA A DEUS, CUJOS FILHOS SOMOS, QUANDO JEJUAMOS, ORAMOS E BUSCAMOS SUAS BÊNÇÃOS; QUANDO IMPLORAMOS COM TODA FORÇA DE NOSSA ALMA AS COISAS QUE MAIS DESEJAMOS; QUANDO, COMO DIZ PAULO, NOS ACHEGAMOS ‘COM CONFIANÇA AO TRONO DA GRAÇA, PARA (PODERMOS) ALCANÇAR MISERICÓRDIA E ACHAR GRAÇA, A FIM DE SERMOS AJUDADOS EM TEMPO OPORTUNO’. (HEBREUS 4:16.)

04. A ORAÇÃO É O MEIO QUE NOSSO CRIADOR NOS DEU PARA NOS COMUNICARMOS COM ELE, E PARA ELE NOS PODER ACONSELHAR. É UMA DAS PRINCIPAIS PEDRAS ANGULARES DA PURA E PERFEITA ADORAÇÃO.

05. NA ORAÇÃO, NÓS FALAMOS AO SENHOR E ELE FALA CONOSCO. TEMOS O PRIVILÉGIO DE QUE NOSSA VOZ SEJA OUVIDA NAS CORTES CELESTES E DE OUVIRMOS A RESPOSTA DO SENHOR TRANSMITIDA PELO PODER DO SEU ESPÍRITO.

06. A ORAÇÃO TRANSFORMA NOSSA VIDA. POR MEIO DELA NOS ACHEGAMOS AO SENHOR E ELE ESTENDE SEU DEDO E NOS TOCA, DE MANEIRA QUE NUNCA MAIS SEREMOS OS MESMOS.

07. A ORAÇÃO É UMA GRANDE FONTE DE PODER, UM ESTEIO DE INFINITA RETIDÃO, UMA PODEROSA FORÇA QUE MOVE MONTANHAS E SALVA ALMAS. ATRAVÉS DELA, ENFERMOS SÃO CURADOS, MORTOS SE LEVANTAM E O SANTO ESPÍRITO SE DERRAMA SEM MEDIDA SOBRE OS FIÉIS.

08. EM ORAÇÃO NOS COMPROMETEMOS POR SOLENES CONVÊNIOS A AMAR E SERVIR O SENHOR TODOS OS NOSSOS DIAS. POR ELA PRESTAMOS DEVOÇÃO E OFERECEMOS NOSSOS SACRAMENTOS AO ALTÍSSIMO.

09. AGORA, EXISTEM ORAÇÕES ESPECIAIS RESERVADAS PARA OS QUE SE ABEBERAM EM ÁGUAS TRANQÜILAS E DEITAM EM VERDES PASTOS, PRECES QUE NÃO SÃO PROFERIDAS PELOS QUE AINDA HABITAM NOS DESERTOS DO PECADO.

10. COM ISTO EM MENTE, GOSTARIA DE FALAR-VOS DE ALGUMAS PRECES QUE TENHO NO CORAÇÃO E QUE SINTO ENCONTRAM RESSONÂNCIA EM VOSSOS CORAÇÕES, E SE UNIRÃO EM UM PODEROSO CORO DE LOUVOR E PETIÇÃO, DE ADORAÇÃO E AÇÃO DE GRAÇAS AO SUBIREM E SEREM OUVIDAS NAS CORTES CELESTES.

11. NÃO COSTUMAMOS FAZER ORAÇÕES MEMORIZADAS, FORMAIS E REPETITIVAS. BUSCAMOS A ORIENTAÇÃO DO ESPÍRITO E ADEQUAMOS TODA ORAÇÃO ÀS NECESSIDADES DO MOMENTO, SEM PENSAR EM USAR OS MESMOS TERMOS OUTRAS VEZES. É CONVENIENTE, PORÉM, USARMOS PALAVRAS QUE EXPRESSEM PENSAMENTOS COMO ESTES EM NOSSAS PRECES.

12. PAI, ROGAMOS-TE, EM NOME DE JESUS CRISTO, QUE OUÇAS AS PALAVRAS DE NOSSA BOCA, A FIM DE DISCERNIRDES COM TEU OLHO ONISCIENTE OS PENSAMENTOS E INTENTOS DE NOSSO CORAÇÃO, E NOS CONCEDERES NOSSOS JUSTOS DESEJOS.

13. CONSIDERAMOS UM GRANDE PRIVILÉGIO VIR À TUA PRESENÇA, CURVAR-NOS DIANTE DO TEU TRONO E NOS DIRIGIRMOS A TI COMO NOSSO PAI; E SABEMOS QUE OUVIRÁS NOSSAS SÚPLICAS. POSSAMOS FAZER PELO PODER DO TEU ESPÍRITO SANTO.



ENTÃO, DANDO GRAÇAS AO SENHOR PELAS BÊNÇÃOS DA VIDA MORTAL, E PELA ESPERANÇA DE IMORTALIDADE E VIDA ETERNA, PODERÍAMOS DIZER COM PROPRIEDADE:



14. PAI, AGRADECEMOS-TE PELA VIDA EM SI, POR ESTA PROVAÇÃO MORTAL NA QUAL, COMO PEREGRINOS LONGE DE NOSSO LAR CELESTE, ESTAMOS VIVENDO EXPERIÊNCIAS QUE NÃO SERIAM POSSÍVEIS DE QUALQUER OUTRA FORMA.

15. SOMOS GRATOS POR TERES ORDENADO E ESTABELECIDO O GRANDE E ETERNO PLANO DE SALVAÇÃO PELO QUAL, COMO TEUS FILHOS ESPIRITUAIS, PODEMOS AVANÇAR E PROGREDIR E NOS TORNAR IGUAIS A TI, SE FORMOS FIÉIS E VERDADEIROS EM TODAS AS COISAS.

16. AGRADECEMOS-TE POR NOS ENVIARES TEU SANTO FILHO JESUS CRISTO COMO SALVADOR E REDENTOR, A FIM DE TORNAR PLENAMENTE EFETIVOS TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE TEU GRANDE E ETERNO PLANO DE SALVAÇÃO; PARA NOS SALVAR DA MORTE, DO INFERNO, DO DEMÔNIO E TORMENTO SEM FIM.

17. OH! COMO NOS REJUBILAMOS NELE E EM SEU BENDITO NOME, REGOZIJAMO-NOS CONTINUAMENTE POR NOS TER RESGATADO DA MORTE TEMPORAL E ESPIRITUAL; POR SER O ÚNICO MEDIADOR ENTRE NÓS E TI; POR HAVER-NOS RECONCILIADO CONTIGO, NÃO NOS IMPUTANDO NOSSOS PECADOS, MAS CURANDO-NOS COM SUAS FERIDAS!

18. DAMOS GRAÇAS A TI, NOSSO PAI, POR TERES DADO TEU FILHO UNIGÊNITO PARA QUE NÓS, CRENDO NELE, NÃO PEREÇAMOS, MAS TENHAMOS A VIDA ETERNA; POR ELE, EM MEIO AO SANGUE E AGONIA DO GETSÊMANI E AO SOFRIMENTO E CRUELDADE DO CALVÁRIO, HAVER ASSUMIDO NOSSOS PECADOS DESDE QUE NOS ARREPENDAMOS.

19. OH! COMO AMAMOS O SENHOR JESUS, CHAMADO O CRISTO E QUE É O SANTO MESSIAS, E TAMBÉM NOSSO SENHOR, NOSSO DEUS E NOSSO REI, A QUEM ADORAMOS EM TODA MAJESTADE DE SUA DIVINDADE; E EM CUJO SANGUE AINDA LAVAREMOS NOSSAS VESTIMENTAS, A FIM DE NOS APRESENTARMOS SEM MANCHA DIANTE DELE E DE TI NO ÚLTIMO DIA!



COM REFERÊNCIA À RESTAURAÇÃO DO GLORIOSO EVANGELHO EM NOSSOS DIAS,

AS PRECES PODERÃO INCLUIR EXPRESSÕES COMO ESTAS:



20. E AGORA, Ó DEUS DE NOSSOS PAIS, SOMOS GRATOS E NOS ALEGRAMOS PELO QUE FIZESTE POR NÓS EM NOSSOS DIAS.

21. DE TODO O CORAÇÃO TE DAMOS GRAÇAS PELA RESTAURAÇÃO DO EVANGELHO; QUE A VOZ DE DEUS VOLTOU A SER OUVIDA; QUE OS CÉUS, HÁ MUITO CERRADOS, FORAM NOVAMENTE ABERTOS; QUE SANTOS ANJOS, TRAZENDO OS SACERDÓCIOS E CHAVES, A LUZ E A VERDADE, MINISTRAM AGORA ENTRE NÓS.

21. COM REVERENTE ASSOMBRO NOS DAMOS CONTA DE QUE NA PRIMAVERA DE 1820, TU E TEU FILHO AMADO VIERAM A JOSEPH SMITH PARA DAR INÍCIO À DISPENSAÇÃO DA PLENITUDE DOS TEMPOS.

22. MARAVILHA-NOS QUE TENHAS ENVIADO MORÔNI PARA REVELAR O LIVRO DE MÓRMON; MOISÉS PARA NOS DAR PODERES PARA CONDUZIR ISRAEL DO EGITO MUNDANO PARA A SIÃO DE DEUS; E ELIAS PARA NOS CONFERIR O PODER DE LIGAR NA TERRA, E QUE TUDO O QUE LIGARMOS NA TERRA SEJA LIGADO ETERNAMENTE NOS CÉUS.

23. QUÃO GRATOS SOMOS POE ELAÍAS NOS TER TRAZIDO DE VOLTA O EVANGELHO DE ABRAÃO PARA QUE NÓS, COMO FILHOS DO CONVÊNIO, POSSAMOS GOZAR A CONTINUIDADE DA UNIDADE FAMILIAR NA ETERNIDADE!



SOBRE NOSSA RECONCILIAÇÃO COM O PAI, PELA EXPIAÇÃO DO SEU FILHO,

SERIA APROPRIADO DIZER COISAS COMO ESTAS:



24. PAI, TU NOS DESTE A PALAVRA DA RECONCILIAÇÃO E DERRAMASTE REVELAÇÕES E VISÕES SOBRE NÓS. SOMOS O TEU POVO E QUEREMOS SER DIGNOS DE NOSSA VOCAÇÃO E ELEIÇÃO.

25. OPERASTE MILAGRES EM NOSSO MEIO; DESTE-NOS AS SAGRADAS ESCRITURAS, PARTICULARMENTE A TUA PALAVRA MANIFESTADA EM NOSSOS DIAS; CONFERISTE-NOS O DOM DO ESPÍRITO SANTO PELO QUAL SOMOS GUIADOS EM TODA VERDADE, E PELO QUAL NOSSA ALMA É SANTIFICADA.

26. POR TODAS ESSAS COISAS NÓS TE SOMOS IMENSAMENTE GRATOS, MAIS DO QUE CONSEGUIMOS EXPRESSAR, E POR CAUSA DELAS HAVEMOS DE LOUVAR TEU SANTO NOME PARA SEMPRE.

27. CONFESSAMOS-TE NOSSOS PECADOS E PEDIMOS QUE NOS SEJAM PERDOADOS, PARA QUE NADA SE INTERPONHA ENTRE NÓS E TI, E POSSAMOS RECEBER LIVREMENTE O INFLUXO DO TEU ESPÍRITO.

COM REFERÊNCIA À EDIFICAÇÃO DO REINO DE DEUS NA TERRA,

NOSSAS NECESSIDADES PODERIAM SER EXPRESSAS MAIS OU MENOS ASSIM:



28. ABENÇOA TUA IGREJA E TEU REINO NA TERRA. QUE POSSAMOS SER INSTRUMENTOS EFETIVOS EM TUAS MÃOS NA RECONSTRUÇÃO DA ANTIGA SIÃO, MESMO A NOVA JERUSALÉM QUE HÁ DE SER.

29. QUE POSSAMOS REUNIR AS OVELHAS PERDIDAS DE ISRAEL NAS ESTACAS DE SIÃO EM TODO O MUNDO, CONFORME PREVIRAM TEUS ANTIGOS PROFETAS.

30. DÁ-NOS DO TEU PODER PARA PREGARMOS O TEU EVANGELHO RESTAURADO A TODA NAÇÃO, TRIBO, LÍNGUA E POVO. FAÇA COM QUE SE ABRAM AS PORTAS DE TODAS AS NAÇÕES.

31. PERMITE-NOS CUMPRIR NOSSA COMISSÃO DIVINA DE PREPARAR O POVO PARA A VINDA DE TEU FILHO. QUE CONSIGAMOS DESCOBRIR QUEM SÃO NOSSOS ANTEPASSADOS E REALIZAR POR ELES AS ORDENANÇAS DE SALVAÇÃO E EXALTAÇÃO NOS SAGRADOS SANTUÁRIOS DEDICADOS AO TEU SANTO NOME.

32. OH! TEM MISERICÓRDIA DE NÓS; SÊ PACIENTE COM NOSSA FRAQUEZA, POIS COLOCAMOS NOSSA CONFIANÇA EM TI. TU ÉS O NOSSO DEUS, E NÃO EXISTE OUTRO IGUAL A TI; E É A TI QUE NOS VOLTAMOS EM REVERÊNCIA, ADORAÇÃO E AÇÃO DE GRAÇAS.



QUANTO ÀS NOSSAS NECESSIDADES TEMPORAIS,

EU NÃO HESITARIA EM DIZER COISAS COMO ESTAS:



33. CLAMAMOS A TI EM FAVOR DE NOSSOS REBANHOS, EM FAVOR DOS FRUTOS DE NOSSOS CAMPOS, E QUE VINGUEM NOSSAS VINHAS E PLANTAÇÕES. PEDIMOS-TE QUE MODERES OS ELEMENTOS E NOS PRESERVES DE DESASTRES, PARA QUE TENHAMOS ALIMENTOS PARA NOS FARTAR E PROVER PARA O FUTURO.

34. PRECISAMOS DE ALIMENTOS, ROUPAS E ABRIGO; NECESSITAMOS DE INSTRUÇÃO E EMPREGOS ADEQUADOS; PRECISAMOS DE SABEDORIA EM NOSSOS NEGÓCIOS E EMPREENDIMENTOS PROFISSIONAIS.

35. CONCEDE-NOS SEGUNDO NOSSAS NECESSIDADES, QUE NÃO SEJAMOS POBRES NEM RICOS, MAS TENHAMOS ALIMENTOS SUFICIENTES PARA NÓS.









COM REFERÊNCIA ÀS BÊNÇÃOS PESSOAIS QUE NOS PREPARAM PARA A SALVAÇÃO,

NOSSOS PENSAMENTOS PODERIAM SER EXPRESSOS ASSIM:



36. ABENÇOA NOSSAS FAMÍLIAS, QUE OS CÔNJUGES SE AMEM E SE APEGUEM UM AO OUTRO; QUE OS PAIS CRIEM SEUS FILHOS EM LUZ E VERDADE; QUE OS FILHOS, ASSIM CRIADOS NA DOUTRINA E ADMOESTAÇÃO DO SENHOR, HONREM SEUS PAIS VIVENDO RETAMENTE COMO FIZERAM SEUS ANTEPASSADOS.

37. Ó PAI, EXISTEM ENTRE NÓS, E NÃO SÃO POUCOS, QUE ALMEJAM E SÃO DIGNOS DE UM COMPANHEIRO ETERNO. ROGAMOS-TE QUE FAÇAS COM QUE SE REALIZEM EM JUSTIÇA O QUE DESEJAM.

38. EXISTEM ENTRE NÓS DOENTES E AFLITOS, QUE EMBORA ENFERMOS NÃO ESTÃO DESIGNADOS PARA MORRER. Ó TU, SUPREMO MÉDICO, DERRAMA TEU PODER CURADOR SOBRE TEUS SANTOS.

39. Ó SENHOR, AUMENTA NOSSA FÉ E PERMITE QUE OS ENFERMOS SEJAM CURADOS E OS MORTOS LEVANTADOS, EM NÚMERO AINDA MAIOR QUE NO PRESENTE.

40. ACIMA DE TUDO, PORÉM, Ó TU, DEUS CURADOR, FAZ COM QUE AQUELE QUE TROUXE SALVAÇÃO EM SUAS ASAS NOS CURE TAMBÉM ESPIRITUALMENTE.

40. GOSTARÍAMOS DE SER LIMPOS; QUEREMOS SER UM POVO PURO; NECESSITAMOS, DESEJAMOS E BUSCAMOS, SOBRETUDO, A COMPANHIA DO TEU SANTO ESPÍRITO. ORAMOS, COMO FAZIAM OS DE ANTIGAMENTE, PARA PODER RECEBER O ESPÍRITO SANTO.

41. Ó PAI, NÓS NOS REGOZIJAMOS NOS DONS DO ESPÍRITO E OS BUSCAMOS EM MAIOR ABUNDÂNCIA. FAÇA COM QUE O TESTEMUNHO E REVELAÇÃO, AS VISÕES E MILAGRES SE MULTIPLIQUEM ENTRE NÓS.

42. PERMITE-NOS CONHECER AS MARAVILHAS DA ETERNIDADE, MESMO AS COISAS QUE O OLHO NÃO VIU, NEM OUVIDOS OUVIRAM, NEM AINDA ENTRARAM NO CORAÇÃO DO HOMEM.



DEPOIS, À GUISA DE CONCLUSÃO, CONVÊNIO E PETIÇÃO,

CONVÉM QUE ESCOLHAMOS PALAVRAS QUE EXPRESSEM ESTES PENSAMENTOS:



43. E FINALMENTE, PAI, GOSTARÍAMOS DE SER UM COMO TEU FILHO, ASSIM COMO ELE É UM CONTIGO. BUSCAMOS A SALVAÇÃO; DESEJAMOS A VIDA ETERNA; ANSIAMOS POR VOLTAR À TUA PRESENÇA E LÁ NOS SENTARMOS PARA SEMPRE AO LADO DE ABRAÃO, ISAQUE, JACÓ E TODOS OS PROFETAS E SANTOS HOMENS DE ANTIGAMENTE.

44. PERMITE-NOS VER A FACE DE TEU FILHO AINDA COMOS MORTAIS. PERMITE-NOS OUVI-LO DIZER: VINDE, BENDITOS DE MEU PAI, ENTRAREIS PARA O GOZO DO VOSSO SENHOR; ASSEGURADA ESTÁ A VOSSA VOCAÇÃO E ELEIÇÃO; SOIS CO-HERDEIROS COMIGO, E HAVEREIS DE RECEBER, POSSUIR E HERDAR TUDO QUE MEU PAI POSSUI.

45. E AGORA, Ó NOSSO DEUS, ELOIM ETERNO, CONHECENDO TEU PENSAMENTO E VONTADE COM REFERÊNCIA A TODAS ESSAS EXPRESSÕES DE GRATIDÃO E TODAS ESSAS PETIÇÕES DE FAVORES, COMPROMETEMO-NOS PERANTE TI QUE GUARDAREMOS TEUS MANDAMENTOS, E TE AMAREMOS E SERVIREMOS TODOS OS DIAS DE NOSSA VIDA.

46. SEJA ESTE, POIS, NOSSO CONVÊNIO, QUE A PARTIR DESTE MOMENTO ANDAREMOS NO TEU CAMINHO, SEM CULPA, OBEDIENTES, FIÉIS, RESPONSÁVEIS, AMANDO-NOS UNS AOS OUTROS, TESTIFICANDO POR PALAVRA E AÇÃO QUE SOMOS TEU POVO, OVELHAS DO TEU APRISCO, TEUS FILHOS ELEITOS E ESCOLHIDOS.

47. PALAVRAS COMO ESTAS EXTERNAM SENTIMENTOS E DESEJOS QUE BEM PODERIAM SER EXPRESSOS AO SENHOR EM ORAÇÃO.

48. SEI QUE TODOS OS QUE ELEVAM TAIS PRECES DE LOUVOR E PETIÇÃO, DE ADORAÇÃO E AÇÃO DE GRAÇAS, E QUE PROCURAM VIVER E ORAM, OBTERÃO PAZ NESTA VIDA E VIDA ETERNA NO MUNDO VINDOURO.

E ESTA É MINHA PRECE POR MIM MESMO, MINHA FAMÍLIA E TODA A ISRAEL.

EM NOME DO SENHOR JESUS CRISTO. AMÉM.


Share/Bookmark ~ quinta-feira, 6 de maio de 2010 0 Comentários

A Caravana Segue Seu Caminho, Élder Bruce R. McConkie


Proponho algumas perguntas que todos nós fazer para verificar se somo leais a fé. São umas poucas perguntas básicas que é preciso responder corretamente para se fazer jus as bênçãos plenas do evangelho nesta vida e herdar a vida eterna nas esferas vindouras.




O nosso bem-amado irmão Paulo, o antigo apóstolo, nos aconselha com estas palavras: "Examinai-vos a vós mesmos, se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos." (II Cor. 13:5.)



Bem poderíamos perguntar: Cremos em todas as doutrinas de salvação? Estamos guardando os mandamentos? Somos valentes na causa da verdade e da justiça? Seremos salvos no reino de Deus?



Dentre as muitas perguntas que todos nós teremos de responder um dia, permiti que vos prove nestas:



1 - Adoro eu o único Deus verdadeiro e vivo?





Não há salvação em adorando um falso deus – seja ele uma vaca, um crocodilo, nem um poste de cedro; nem mesmo um ente espiritual, sem corpo, partes ou paixões, que enche a imensidão do espaço.



O verdadeiro crente adora o Ser Sagrado que “fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes da águas". (Apo. 14:7).



Ele é o Pai dos espíritos com quem habitamos antes de serem lançados os fundamentos desta terra. Ele é nosso Pai no céus, que ordenou e instituiu o plano de salvação pelo qual seus filhos espirituais pudessem avançar e progredir, e tornar-se como ele é.



Ele é um Homem Santo, um personagem do tabernáculo, com um corpo de carne e osso, e criou o homem mortal à sua própria imagem, "macho e fêmea os criou." (Gên. 1:27.)



Ele é um ser glorificado e exaltado nos qual habitam toda plenitude e perfeição, que sabe todas as coisas e tem todo o poder, força e domínio.



2 – Creio eu na queda de Adão?



Não há salvação numa religião que rejeita a doutrina da Queda ou que admite ser o homem é o produto final da evolução e, não tendo assim estado sujeito a cair.



O verdadeiro crente sabe que esta terra e o homem e todas as formas de vida foram criados num estado edênico ou paradisíaco no qual não existia mortalidade, procriação, nem morte.



Nesses primeiros dias, Adão e Eva viviam"num estado de inocência, não tendo alegria, por não terem conhecido a miséria; não fazendo o bem, por não conhecer o pecado." (2 Ne. 2:23.)



Pela previdência do Senhor "Adão caiu pra que os homens existissem, e os homens existem para que tenham alegria." (2 Ne. 2:25.)



Com a queda, Adão introduziu no mundo a morte temporal e espiritual, transformando esta vida terrena em estado probatório.



3- Creio eu na expiação do Senhor Jesus Cristo?



Quanto a esta questão, dou a minha própria resposta. Ei-la:



Eu sei que meu Redentor vive, com Jó o testifico. Ainda que as garras da doença devastem meu corpo; ainda que me fira a espada da morte - eu sei que aquele que me comprou com o seu sangue, em breve reinará na terra e que "em minha carne verei a Deus." (Jó 19:26, ver também Jó 19:25.)



Eu sou uma testemunha de que ele foi pregado na cruz do Calvário, morreu e levantou-se no terceiro dia; que ele subiu aos céus onde, assentado à direita de Deus, o Pai Onipotente, agora reina em glória eterna; e que em breve voltará a reinar entre os filhos dos homens.



Sei que ele é o único Mediador entre Deus e o homem, que proporciona a imortalidade e vida eterna ao homem; que seu ministério é de reconciliação pelo qual o homem decaído pode reonciliar-se com o seu Criador.



Eu sei que a salvação está em Cristo e que somente pela fé em seu nome podemos ter esperança de obter tesouros eternos.



Ele é meu Irmão e Amigo, e ainda mais: É meu Senhor, meu Deus e meu Rei a quem adoro em toda majestade de sua Divindade, e que continuará sendo meu Salvador, meu Redentor e meu Deus por todas as eternidades vindouras.



4- Aceito eu o verdadeiro plano de salvação?



Assim como existe um único Deus e um Salvador, também há somente uma salvação, um caminho estreito e apertado que conduz à vida eterna, uma forma da graça de Deus derramar-se plenamente sobre nós mortais.



Para conseguir salvação, todos os homens de toda parte precisam ter fé no Senhor Jesus Cristo. Têm de arrepender-se dos pecados e serem batizados por um administrador legal com poder para selar na terra e nos céus. Têm de receber o dom do Espírito Santo, ser santificados pelo poder do Espírito e guardar os mandamentos de Deus por toda a vida.



5 - Creio no evangelho conforme foi restaurado nesta última dispensação de graça?



Que seja conhecido por todos os homens; que seja proclamado pela própria trombeta de Deus; que coros angélicos cantem suas maravilhas e glória; que todas a hostes humanas permaneçam em reverente assombro enquanto a voz dos céus declara que Deus restaurou nestes últimos dias a plenitude do seu evangelho eterno.



Que todo olho veja, todo o ouvido ouça, todo coração seja penetrado, pois a voz de Deus é se faz ouvir novamente. Anjos estão vindo outra vez das cortes de glória para declarar verdades eternas ao homem mortal. O dom do Espírito Santo está-se derramando sobre os fiéis, e milhares voltam a louvar jubilosos o Santo de Israel.



Ouvi, ó vós confins da terra. Deus falou; os céus se abriram; nós temos o seu evangelho; chaves e os poderes foram novamente investidos nos homens; e todos eles estão convidados a vir, sem dinheiro e sem preço, banquetear-se com a boa palavra de Deus, pois a salvação é gratuita.



6 - Sou um membro fiel da verdadeira Igreja?



Estou guardando os mandamentos de Deus? Eu o amo e sirvo de todo o coração, mente, e força?



Não há salvação alguma num falso deus ou na obediência a um falso plano de salvação, ou filiação a uma falsa igreja.



A verdade pura, cristalina, a verdade isenta de erro, a verdade e só a verdade pode levar a alma à salvação.



7 - Honro Joseph Smith como o grande profeta da Restauração?



Na época de Jesus, homens ímpios e maus afastaram-se dos genuinos cristãos difamando o nome de Jesus e amaldiçoando-o como falso profeta.



Em nossos dias, pessoas mal itencionadas fazem o mesmo com o nome de Joseph Smith. Sua atitude para com ele e seus sucessores distingue os genuínos crentes daqueles que servem a outro mestre.



Disse o Senhor dos céus a Joseph Smith, vdente moderno: "O fim do mundo deve saber após teu nome e tolos devem ter em ti escárnio, eo inferno é raiva contra ti;



"Enquanto os puros de coração, e os sábios, e os nobres, e do virtuoso, deve procurar conselho e autoridade e bênçãos sob constante da tua mão." (D & C 122:1-2.)



Porque há de ser sempre assim? Porque Joseph Smith é o restaurador do conhecimento de Cristo e da salvação; porque traduziu o Livro de Mórmon, que contém a plenitude do evangelho; porque ele recebeu revelações tão numerosas e gloriosas quanto às dadas a Moisés e Isaías; porque ministradores angélicos lhe conferiram chaves, poderes e sacerdócio que lhe permitiam, bem como a seus sucessores, ligar na terra e ter seus atos eternamente selados nos céus – tudo isto são algumas das razões por que honramos o nome de Joseph Smith.



Pelo que me toca, quero buscar constantemente conselhos, autoridade e bênçãos das mãos de um homem assim!



8 – Estou perseverando até o fim, crescendo em graça e adquirindo os atributos de divindade?



Quer dizer: Estou crescendo em fé, virtude, conhecimento, temperança, paciência, piedade, amor fraternal e caridade conforme exorta Pedro? (Ver II Pedro 1:5-7.)



Estou operando a minha salvação com temor e tremor diante de Deus, conforme aconselha Paulo? (Ver Filip. 2:12.)



Estou andando na luz, em comunhão com os santos, para que "o sangue de Jesus Cristo, seu Filho" me purifique de todo pecado, conforme promete João? (I Jo. 1:7.)



Estou indo avante "com firmeza em Cristo, tendo uma esperança resplandencente e amor a Deus e a todos os homens, ... (banqueteando-me) com a palavra de Cristo" e perseverando até o fim, conforme ensinava Néfi? (2 Ne. 31:20.)



Sinto um amor especial e sagrado aos santos, identificando-me assim como um autentico discípulo, de acordo com o que disse Jesus, o Senhor? (Ver João 13:35.)



9 – Dou prioridade as coisas do reino de Deus? É reino de Deus ou nada, para mim e para os meus?



É do Presidente Brigham Young, de bendita memória que agora reina nas cortes celestes, este brado de batalha: "O Reino de Deus ou nada." (Discursos de Brigham Young, sel. John A. Widtsoe, Salt Lake City: Deseret Book Co., 1941, p. 444; ver também Journal of Discourses, 11:249).



Ele foi repetido por seus companheiros e poderia muito bem ser revivido entre nós.



Um antigo e sábio clérigo nos este conselho: "Se não escolhestes primeiro o reino de Deus, no final não fará diferença alguma o que escolhestes em seu lugar".(William Low)



O reino de Deus na terra é A Igreja de Jesus Cristo dos Santos Últimos Dias que prepara os homens para uma herança no reino celestial de Deus no céu.



Quando colocamos em primeiro lugar, estamos falando do reino terrestre que nos prepara para o reino celestial.



Para nós, seja nesta vida e na vida por vir, é e deve ser: O reino de Deus ou nada.



Este reino de Deus no tempo e na eternidade é governado pelo espírito de inspiração, que sempre transmite o pensamento e a vontade do Senhor, seja pela própria voz ou pela voz de seus servos, não importa. (Ver D&C 1:38).



Em todos os casos devemos determinar o que o Senhor deseja de nós e que conselho ele deu através dos servidores designados de seu reino na terra.



Nenhum genuíno santo dos últimos dias jamais se oporá ao que o Senhor revelou àqueles que dirigirem os negócios de seu reino na terreno.



Nenhum santos dos últimos dias verdadeiro e fiel em todas as coisas jamais seguirá um curso ou esposará uma causa ou publicará um artigo ou livro que enfraqueça ou destrua a fé.



No que diz respeito ao evangelho, não existe de fato neutralidade.



Dizia Jesus: "Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha”. (Mat. 12:30.)



E foi Jacó quem disse: "Os que não estiverem comigo estarão contra mim, diz o nosso Deus." (2 Ne. 10:16.)



Se não apoiarmos, defendermos e prestigiarmos o reino de Deus em todas as coisas, estaremos ajudando uma causa que não é a do Senhor.



Só os valentes se salvarão. Os membros da Igreja que não são valentes no testemunho de Jesus, na causa de Cristo, na defesa de seus profetas e pregação sua palavra, não são herdeiros do reino celestial.



10 – Estou vivendo de modo a ser salvo no reino de Deus?



Esta é a nossa meta, nosso objetivo e propósito na vida. Tudo que fizermos deve agradar ao Senhor e promover nosso empenho de salvação.



E, o Senhor seja louvado, chega uma hora na vida dos santos fiéis em que, tendo guardado a fé e sido verdadeiros e fieis a despeito de todo o perigos, o Senhor lhe diz: Tu serás exaltado.



Estas são apenas algumas das muitas provas de verdadeiro discipulado.



Agora eu tenho o que todo verdadeiro discípulo tem. Chama-se o testemunho de Jesus (na A Liahona em português é “testemunho de Deus”). Em nossos dias, inclui o conhecimento revelado de que o reino terrestre, isto é, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, triunfará. Gostaria de ilustrá-lo desta maneira:



A Igreja é como uma grande caravana - bem organizada, preparada, seguindo determinado rumo, com seus capitães de dezenas e capitães de centenas todos em seu lugar.



O que importa se alguns cães latem e procuram morder o calcanhar dos viajores exaustos? Ou que predadores reclamem os poucos que caem ao longo da trilha? A caravana segue seu caminho.



Existe uma ravina a cruzar, um lamaceiro a vencer, uma encosta íngreme a subir? O que importa? Os bois são fortes e os condutores sábios. A caravana segue seu caminho.



Tormentas inclementes fustigam a caravana, enchentes arrastam pontes, é preciso atravessar desertos e rios? São coisas da vida nesta esfera decaída. A caravana segue seu caminho.



A frnete esta a cidade celestial, a Sião eterna de nosso Deus, onde todos os que continuam na caravana encontrarão alimento e descanso. Graças a Deus, a caravana segue seu caminho!



Em nome do Senhor Jesus Cristo, amém.


Share/Bookmark ~ terça-feira, 4 de maio de 2010 0 Comentários

Related Posts with Thumbnails